Trabalho

Gestores de topo com maiores aumentos em 2018

Dinheiro: Quanto mais se tem, mais se quer.
( Pedro Rocha / Global Imagens )
Dinheiro: Quanto mais se tem, mais se quer. ( Pedro Rocha / Global Imagens )

Empresas prevêem aumentos de 2% em 2018, mas serão mais generosas com lugares de topo. Centrais contra política que beneficia quem já ganha mais

As empresas, apesar dos sinais de melhoria da economia, preveem aumentar os salários, no próximo ano, em redor de 2% – a mesma ordem de grandeza deste ano. Os gestores e dirigentes de topo serão quem vai ter acréscimos remuneratórios mais elevados, de acordo com a edição deste ano do estudo Total Compensation realizado pela Mercer, que visou 154 826 postos de trabalho em 333 empresas com atividade no mercado português. São cada vez menos as empresas que pretendem manter os salários congelados.

As centrais sindicais encaram estes sinais como positivos, mas acentuam que é possível ir mais além, nomeadamente nos setores que estão a registar crescimentos mais elevados. No seu caderno reivindicativo para 2018, a UGT aponta para aumentos salariais entre 3% a 4%. Daí que Carlos Silva, o secretário-geral, considere curta a subida média de 2% sinalizada pelos empresários. Ainda assim, em declarações ao Dinheiro Vivo, admite que o intervalo proposto pela UGT possa não ser acessível a todos os setores. Pior, considera, é que a intenção passe por aumentar mais quem já mais ganha.

De acordo com estudo da consultora Mercer, administradores e diretores-gerais terão aumentos médios de 2,1% em 2018 (este ano foram 1,95%) e os diretores de primeira linha deverão avançar 2,27% (contra 2,16% em 2017). Já as chefias intermédias, comerciais e quadros superiores devem contar com aumentos salariais inferiores aos deste ano e ligeiramente abaixo do valor médio dos 2%. Entre as profissões menos qualificadas (administrativos e operários) as remunerações aumentarão em média entre 1,8% e 1,5% – mais do que em 2017, mas abaixo da média. A antiguidade deixou de ser um posto e conta pouco na hora de decidir os aumentos.

Carlos Silva considera que esta política vai agravar ainda mais o fosso entre quem mais ganha e quem menos recebe. “Prioritário seria reforçar as atualizações de quem recebe até 900 euros por mês”, defende.

João Torres, dirigente da CGTP, dá conta do “sinal de injustiça” que é aumentar mais os dirigentes de topo e acentua que o trabalho precário é um dos motivos que permite que isto aconteça. E alerta que as remunerações não são prémios, mas “formas de condicionar” os trabalhadores. A CGTP reclama aumentos salariais de 4% no próximo ano.

O aumento mais acentuado dos salários nas funções de topo inverte a política seguida nos dois últimos anos. João Cerejeira, professor na Universidade do Minho e especialista em mercado de trabalho, não se surpreende com a reviravolta. “O desemprego ainda está em níveis relativamente elevados e é fácil substituir os menos qualificados”. Daí que a prioridade dos empresários seja oferecer melhores condições, quer em salários, quer em outros benefícios, aos dirigentes de topo, mais difíceis de substituir.

Planos de saúde e de pensões são alguns dos benefícios mais comuns oferecidos pelas empresas consultadas pela Mercer.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Primeiro-ministro, António Costa. Fotografia: NUNO FOX/LUSA

Costa: “Depois deste ano nada poderá ficar como antes”

Mário Centeno, ministro das Finanças, com Pierre Moscovici, comissário europeu. Fotografia: REUTERS/Rafael Marchante

Governo promete a Bruxelas ser bom aluno em 2018

António Mendonça Mendes, secretário de Estado dos Assuntos Fiscais

Mínimo de existência acaba com IRS para 54 mil recibos verdes

Outros conteúdos GMG
Conteúdo Patrocinado
Gestores de topo com maiores aumentos em 2018