4º aniversário DV

Gonçalo Fortes: “A geografia já não interessa” nos negócios

Gonçalo Fortes quer acabar com o desperdício nas fábricas
Gonçalo Fortes quer acabar com o desperdício nas fábricas

Fundador da Prodsmart foi um dos convidados da 2ª conferência que comemora o 4º aniversário do Dinheiro Vivo: participou, via Skype, desde Munique.

“Há aqui uma ironia, a geografia já não interessa”, diz Gonçalo Fortes, fundador da Prodsmart. Gonçalo diz as palavras diretamente de Munique para o Porto, via Skype, enquanto está fora do país a tentar “fazer negócios”.

A Prodsmart, startup que criou para simplificar os processos na indústria, ou seja, acabar com o papel na indústria, é um dos muitos agentes de um processo que muitos chamam de “reindustrialização”.

A empresa quer, através da tecnologia, “interligar marcas para que consigamos, de uma forma mais rápida e mais eficiente, conectar gigantes de automação industrial e a sua base enorme de clientes, de forma a facilitar o contacto através de um sistema de informação que os vai ligar a todos”, explica o fundador da Prodsmart. Em suma, construir uma “rede gigante” que junte as duas partes.

No entanto, existem ainda algumas barreiras à entrada: “Somos encarados como um bando de miúdos que não se sabe se estarão aqui daqui a um tempo”, explica o fazedor. No entanto, Gonçalo continua a acreditar que o trabalho visto por uma pessoa que não pertença ao sistema diretamente pode ajudar à evolução. E é dessa convicção que fala a quem conhece. “Com essa componente de inovação, estamos só a dar uma forma de fazer em grande escala. Não se trata só da adoção de uma tecnologia. A mudança, dentro da própria empresa, também é muito grande”, explica.

“Não estamos só a falar de tecnologia, estamos a falar de produtos. o nosso objetivo é chegar ao extremo, é chegar ao utilizador e ele despoleta a produção”, acrescenta.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
Gonçalo Fortes: “A geografia já não interessa” nos negócios