4º aniversário DV

Gonçalo Fortes: “A geografia já não interessa” nos negócios

Gonçalo Fortes quer acabar com o desperdício nas fábricas
Gonçalo Fortes quer acabar com o desperdício nas fábricas

Fundador da Prodsmart foi um dos convidados da 2ª conferência que comemora o 4º aniversário do Dinheiro Vivo: participou, via Skype, desde Munique.

“Há aqui uma ironia, a geografia já não interessa”, diz Gonçalo Fortes, fundador da Prodsmart. Gonçalo diz as palavras diretamente de Munique para o Porto, via Skype, enquanto está fora do país a tentar “fazer negócios”.

A Prodsmart, startup que criou para simplificar os processos na indústria, ou seja, acabar com o papel na indústria, é um dos muitos agentes de um processo que muitos chamam de “reindustrialização”.

A empresa quer, através da tecnologia, “interligar marcas para que consigamos, de uma forma mais rápida e mais eficiente, conectar gigantes de automação industrial e a sua base enorme de clientes, de forma a facilitar o contacto através de um sistema de informação que os vai ligar a todos”, explica o fundador da Prodsmart. Em suma, construir uma “rede gigante” que junte as duas partes.

No entanto, existem ainda algumas barreiras à entrada: “Somos encarados como um bando de miúdos que não se sabe se estarão aqui daqui a um tempo”, explica o fazedor. No entanto, Gonçalo continua a acreditar que o trabalho visto por uma pessoa que não pertença ao sistema diretamente pode ajudar à evolução. E é dessa convicção que fala a quem conhece. “Com essa componente de inovação, estamos só a dar uma forma de fazer em grande escala. Não se trata só da adoção de uma tecnologia. A mudança, dentro da própria empresa, também é muito grande”, explica.

“Não estamos só a falar de tecnologia, estamos a falar de produtos. o nosso objetivo é chegar ao extremo, é chegar ao utilizador e ele despoleta a produção”, acrescenta.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro-ministro, António Costa (E), conversa com o ministro de Estado e das Finanças, João Leão (D), durante o debate e votação da proposta do orçamento suplementar para 2020, na Assembleia da República, em Lisboa, 17 de junho de 2020. MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Orçamento suplementar mantém despesa de 704 milhões de euros para bancos falidos

Jorge Moreira da Silva, ex-ministro do ambiente

(Orlando Almeida / Global Imagens)

Acordo PS-PSD. “Ninguém gosta de um planalto ideológico”

Mario Draghi, presidente do BCE. Fotografia: Reuters

Covid19. “Bazuca financeira tem de fazer mira à economia, desigualdades e clima”

Gonçalo Fortes: “A geografia já não interessa” nos negócios