Dívida

Governo adia em 6 a 20 anos o pagamento de mil milhões em dívida

Governo chega a acordo para pagar mil milhões de euros em dívida seis a 20 anos mais tarde do que o inicialmente contratado

O governo conseguiu um acordo com alguns credores (bancos e fundos essencialmente) no sentido de aliviar o calendário de amortizações de dívida pública de 2017 a 2019 em cerca de 1012 milhões de euros, anunciou o IGCP, a agência que gere o endividamento da República, e que nesta sexta-feira avançou com uma “oferta de troca de Obrigações do Tesouro”.

Segundo o instituto, mais de dois terços do dinheiro devido neste período de 2017 a 2019 (733 milhões de euros) será pago apenas em 2025. O resto (279 milhões de euros) é adiado até 2037. Uma folga que pode ir de seis a 20 anos, consoante os casos.

Mais folgados ficam os exercícios dos próximos três anos, já de si muito exigentes (a continuam a sê-lo, dado os valores envolvidos a pagar aos credores). A carga é aligeirada em 547 milhões de euros já em 2017; mais 315 milhões de euros saltam de 2018 e outros 150 milhões são libertados de 2019.

Todas estas emissões de dívida (leilões), cujo pagamento foi agora parcialmente atrasado, foram realizadas pelo antigo governo do PS, liderado por José Sócrates. O ministro das Finanças era Fernando Teixeira dos Santos.

Segundo um comentário de Filipe Silva, diretor de gestão de ativos do Banco Carregosa, enviado às redações, “o mais relevante – e o que interessa ao Estado português – foi conseguir fazer o chamado roll over da dívida [deslizamento, com alargamento de maturidades]”.

Assim é porque a dívida mantém-se a mesma, mas parte será paga mais tarde.

Trata-se de “trocar dívida que teria que ser paga em breve, por outra que só terá que ser paga mais tarde.” Para o analista significa que “o Estado comprou tempo”. “Já não terá que amortizar em 2017, 2018 e 2019, passando dois terços dessa dívida para 2025 e um terço para 2037. Mantém-se a dívida, mas estende-se o prazo. Do ponto de vista do interesse do país, acho que foi uma operação positiva”, referiu o mesmo gestor.

Resumindo: foram recompradas obrigações que se venceriam em 2017, 2018 e 2019. E foi vendida dívida, que passa a vencer em 2025 e 2037.

(Atualizado às 12h45 com mais informação)

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes. MÁRIO CRUZ/LUSA

Famílias ficam com um pouco mais de salário ao final do mês

Miguel Almeida, CEO da NOS

Comité de Ética da NOS vai ouvir os administradores envolvidos no Luanda Leaks

O Presidente da República de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa, discursa durante a cerimónia de tomada de posse do XXII Governo Constitucional, liderado pelo secretário-geral do Partido Socialista (PS), António Costa, no Palácio da Ajuda, em Lisboa, 26 de outubro de 2019. ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

Marcelo: É bem-vindo a Portugal todo o investimento no respeito da legalidade

Governo adia em 6 a 20 anos o pagamento de mil milhões em dívida