Governo admite que casados possam escolher entregar IRS separado

ng3113681

A possibilidade existe apenas para os casais em união de
facto há mais de dois anos, mas agora o Governo pode alterar as
regras de forma a permitir que duas pessoas casadas escolham se
querem ser tributadas em separado ou enquanto agregado familiar. A
ideia, que foi sugerida pelo FMI, foi lançada esta noite pelo
secretário e Estado dos Assuntos Fiscais, Paulo Núncio, num encontro da
Associação Fiscal Portuguesa.

Veja aqui as vantagens de entregar o IRS separado

“Portugal é um dos poucos países que obriga os casados a
apresentar uma única declaração de IRS”, justificou o
governante, dizendo que essa alteração poderá ser introduzida pela
comissão de reforma do IRS que apresentará uma proposta de revisão
até ao verão – as decisões serão tomadas até ao fim do ano.

Leia ainda: IRS separado compensa se um dos membros do casal estiver desempregado

Na Europa, só o Luxemburgo e França obrigam à taxação
conjunta. Espanha, Alemanha e Irlanda dão a opção aos casais e todos os outros países europeus taxam o IRS de forma separada cada
membro do casal. O FMI considera que taxar em conjunto o casal em sede de IRS
desincentiva a procura de emprego se um dos cônjuges estiver
desempregado. Mas taxar em separado acaba por ser pior quando estão
os dois empregados.

Simplificação e facilitação do cumprimento das obrigações
fiscais, bem como a distinção positiva “premiando fiscalmente
quem mais trabalha” são os objetivos defendidos pelo governo para a reforma do IRS, através da qual
se pretende “proteger as famílias com filhos, e salvaguardar os
mais velhos”, disse Paulo Núncio, que garantiu ainda que “será tida em conta a relação
entre o IRS e a Segurança Social”, de forma a reduzir obrigações declarativas para baixar os custos
de contexto das empresas.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro-ministro, António Costa. JOÃO RELVAS/POOL/LUSA

Governo cria complemento salarial até 350 euros para trabalhadores em lay-off

O primeiro ministro, António Costa, fala aos jornalistas durante a conferência de imprensa, 04 junho 2020, realizada no final da reunião do Conselho de Ministros, no Palácio da Ajuda, em Lisboa.     MANUEL DE ALMEIDA / POOL/LUSA

Banco de Fomento para Portugal com “aprovação provisória”

O primeiro ministro, António Costa, fala aos jornalistas durante a conferência de imprensa realizada no final da reunião do Conselho de Ministros, no Palácio da Ajuda,  em Lisboa, 29 de maio de 2020. O Governo decidiu adiar a passagem para a terceira fase de desconfinamento na Área Metropolitana de Lisboa e criou regras especiais, sobretudo em atividades que envolvem “grande aglomerações de pessoas”.  MANUEL DE ALMEIDA/POOL/LUSA

Trabalhadores em lay-off passam a receber entre 77% e 92% do salário

Governo admite que casados possam escolher entregar IRS separado