Investimento

Governo aprova minutas de investimentos que superam 89 milhões

Pedro Siza Vieira, ministro da Economia. Foto: REUTERS/Rafael Marchante
Pedro Siza Vieira, ministro da Economia. Foto: REUTERS/Rafael Marchante Pedro Siza Vieira; ministro da Economia

Investimento global irá permitir a criação de 287 novos postos de trabalho até 2022.

O Conselho de Ministros aprovou hoje um conjunto de minutas de contratos fiscais de investimento, a celebrar entre o Estado e seis empresas, cujos projetos representam um investimento superior a 89 milhões de euros, foi anunciado.

“Foram aprovadas ainda as minutas de contratos fiscais de investimento a celebrar entre o Estado e seis sociedades comerciais, tendo em vista o desenvolvimento de projetos que representam um investimento global de cerca de 90 milhões de euros, e irão permitir a criação de 287 novos postos de trabalho até 2022”, indicou a ministra da Presidência e Modernização Administrativa, Mariana Vieira da Silva, durante o ‘briefing’ do Conselho de Ministros.

De acordo com o comunicado do Conselho de Ministros, as sociedades em causa são a Fibope Portuguesa, a Hutchinson, a Eurostyle Systems Portugal, a Sonae Arauco Portugal, a Panpor e a Wieland Thermal Solutions.

O executivo aprovou a minuta do contrato fiscal a celebrar com a Fibope Portuguesa – Filmes Biorientados, mediante a atribuição de um crédito imposto, em sede de IRC (Imposto sobre o Rendimento das pessoas Coletivas), até 18% e isenção de imposto do selo, para um projeto de investimento associado de 8,3 milhões de euros que prevê a criação de 15 postos de trabalho até 2021.

No caso da Hutchinson – Tubos Flexíveis, a minuta contempla a atribuição de um crédito de imposto, em sede de IRC também até 18%, com a isenção de imposto de selo para um projeto que prevê um investimento de 6,2 milhões de euros, bem como a criação de 117 postos de trabalho até 2020.

Na minuta aprovada com a Eurostyle Systems Portugal – Indústria de Plásticos de Borracha encontra-se previsto um crédito de imposto, em sede de IRC, até 20% e a isenção de IMT (Imposto Municipal sobre as Transmissões Onerosas de Imóveis) e imposto de selo, “atendendo a um projeto com um investimento associado de 18,3 milhões de euros que deverá criar 128 postos de trabalho até 2020”.

Para a Sonae Arauco Portugal está referida a atribuição de um crédito em sede de IRC até 18%, estando associado a este projeto, que prevê a criação de 10 postos de trabalho até 2022, um investimento de 42,4 milhões de euros.

Já para a Panpor – Produtos Alimentares, as minutas de contratos fiscais de investimento preveem um crédito de imposto, em sede de IRC, até 16%, “considerando um investimento associado de 9,5 milhões de euros que promove a criação de 11 postos de trabalho até 2020”.

Por último, para a Wieland Thermal Solution está contemplado um crédito de imposto, em sede de IRC, até 18%, bem como isenções em sede de imposto de imposto municipal sobre imóveis e de imposto de selo, considerando que o projeto tem um investimento associado de 4,5 milhões de euros, que deverá criar seis postos de trabalho até 2020.

“Estes projetos empresariais representam um investimento global superior a 89 milhões de euros, permitindo a criação de 287 novos postos de trabalho até 2022”, indicou o Conselho de Ministros.

Adicionalmente, o Governo aprovou aditamentos às minutas de contratos fiscais de investimento celebradas entre o Estado e a Celtejo e a Hikma Farmacêutica (Portugal).

No caso da Celtejo, empresa de celulose do Tejo, foi aumentado o crédito de imposto, em sede de IRC, para 20% tendo um investimento associado de 82,5 milhões de euros, enquanto para a Hikma Farmacêutica prorrogou a data de conclusão do período de investimento em seis meses.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
TimVieira_1-1024x683

“Fui quem mais investiu e mais perdeu no Shark Tank. E também quem ganhou mais”

João Lourenço, Presidente de Angola. Fotografia: ESTELA SILVA/LUSA

Dívida externa angolana financiou “enriquecimento ilícito de uma elite”

Lisboa, 12/06/2019 - Mariana Vieira da Silva, ministra da Presidência e da Modernização Administrativa, fotografada esta tarde nos estúdios da TSF, durante uma entrevista 'A Vida do Dinheiro'  TSF/Dinheiro Vivo.
( Gustavo Bom / Global Imagens )

Mariana Vieira da Silva: Repetir a geringonça “é possível e desejável”

Outros conteúdos GMG
Governo aprova minutas de investimentos que superam 89 milhões