OE2018

Governo aperta o controlo sobre desempregados e subsidiados

José Vieira da Silva, ministro da Segurança Social. Fotografia:  Jorge Amaral/Global Imagens
José Vieira da Silva, ministro da Segurança Social. Fotografia: Jorge Amaral/Global Imagens

Novo artigo na proposta provisória de OE prevê a “interconexão de dados entre a Segurança Social e o IEFP” para reduzir fraudes.

Os desempregados e os beneficiários de medidas de apoio ao emprego deverão passar a ser ainda mais controlados pelos centros de emprego do Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP) e pelos serviços da Segurança Social, de acordo com as versões provisórias da proposta de Orçamento do Estado para 2018 que circulam com a data de 10 e 12 de outubro.

No entanto, como esse controlo passa por cruzar informações, os serviços vão precisar da autorização da comissão de proteção de dados (CNPD) para avançar.

De acordo com o documento, a ideia é “reforçar o rigor” na atribuição de apoios a desempregados (como subsídios de desemprego, de formação profissional e outros) e “garantir maior eficácia na prevenção e combate à fraude”. Esta versão prevê a “interconexão de dados entre a Segurança Social e o IEFP”.

“No sentido de reforçar o rigor na atribuição dos apoios públicos no âmbito da execução das políticas de emprego e formação profissional, de incentivos ao emprego e de prestações de cobertura da eventualidade de desemprego no âmbito da segurança social, bem como garantir uma maior eficácia na prevenção e combate à fraude nestes domínios e ainda promover a desburocratização na relação com o cidadão”, refere o esboço de diploma.

“O Governo pode estabelecer a interconexão de dados entre o IEFP, I.P. e os serviços da Segurança Social, por forma a permitir o acesso aos dados registados no serviço público de emprego e na Segurança Social relevantes para a prossecução destas finalidades”.

“As categorias dos titulares e dos dados a analisar, bem como o acesso, a comunicação e o tratamento de dados entre as entidades referidas no número anterior, realiza-se nos termos de protocolo estabelecido entre o IEFP e as instituições da Segurança Social competentes, a homologar pelos membros do Governo responsáveis e sujeito a parecer da CNPD – Comissão Nacional de Proteção de Dados”, lê-se no texto.

Atualmente, os desempregados, embora já não sejam obrigados a apresentarem-se de 15 e 15 dias como dantes (esta obrigação acabou há um ano), continuam a ter um rol extenso de outras obrigações para poderem ter apoios.

Têm de aceitar propostas de emprego sempre que estas forem convenientes e adequadas ao seu perfil, de fazer trabalho comunitário se for o caso, de receber formação profissional, têm de procurar emprego e provar que o estão a fazer de forma ativa, voluntária.

Além disso, são avaliados pelo sistema e obrigados a comparecer às convocatórias, que continuam a existir, ainda que não numa base regular quinzenal.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Primeiro-ministro, António Costa. Fotografia: NUNO FOX/LUSA

Costa: “Depois deste ano nada poderá ficar como antes”

Mário Centeno, ministro das Finanças, com Pierre Moscovici, comissário europeu. Fotografia: REUTERS/Rafael Marchante

Governo promete a Bruxelas ser bom aluno em 2018

António Mendonça Mendes, secretário de Estado dos Assuntos Fiscais

Mínimo de existência acaba com IRS para 54 mil recibos verdes

Outros conteúdos GMG
Conteúdo Patrocinado
Governo aperta o controlo sobre desempregados e subsidiados