fisco

Governo autoriza fim das faturas em papel

faturas

A partir de 2019, os contribuintes só irão receber faturas em papel ou por email se as solicitarem.

Só haverá faturas em papel se o contribuinte quiser. O Conselho de Ministros aprovou esta quinta-feira uma alteração do regulamento relativo às faturas e que cria condições para que este documento deixe de ser obrigatoriamente impresso pelos comerciantes. As alterações deverão entrar em vigor já em janeiro.

“Foi aprovado o decreto-lei que procede à regulamentação das obrigações relativas ao processamento de faturas e outros documentos fiscalmente relevantes, bem como das obrigações de conservação de livros, registos e respetivos documentos de suporte que recaem sobre os sujeitos passivos de IVA. […] Pretende-se, ainda, promover as potencialidades do sistema e-fatura no combate à fraude e evasão fiscais, simplificando também algumas obrigações em sede de IVA e criando condições para que a fatura deixe de ser impressa em papel”, refere o comunicado divulgado após a reunião semanal dos membros do Governo de António Costa.

A partir de 2019, os contribuintes só irão receber faturas em papel ou por email se as solicitarem. Esta medida será válida para as empresas que tenham programa informático certificado e transmitam faturas em tempo real ao Fisco. Esta medida faz parte do programa Simplex+2018.

Segundo as contas da associação ambiental Zero, se fosse eliminada a emissão de todas as faturas em papel, poderiam ser poupadas 281 mil árvores por ano.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O ministro das Finanças, Mário Centeno, intervém durante a  conferência "Para onde vai a Europa?", na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, 22 de março de 2019. MÁRIO CRUZ/LUSA

Próximo governo vai carregar mais 8 mil milhões em dívida face ao previsto

O ministro das Finanças, Mário Centeno, intervém durante a  conferência "Para onde vai a Europa?", na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, 22 de março de 2019. MÁRIO CRUZ/LUSA

Próximo governo vai carregar mais 8 mil milhões em dívida face ao previsto

Motoristas de matérias perigosas em greve concentrados na Companhia Logística de Combustiveis - CLC.
Fotografia: Paulo Spranger / Global Imagens

Combustíveis. Sindicato conseguiu mais 200 sócios com greve

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Governo autoriza fim das faturas em papel