Economia

Governo chinês gastará mais 10% para impulsionar economia

ng4642717

O Governo chinês planeia aumentar os gastos públicos em 10% durante este ano para dar novo impulso a uma economia chinesa em desaceleração, anunciou esta segunda-feira o ministro das Finanças, Lou Jiwei.

O responsável chinês deu a conhecer estas medidas durante a cúpula do G20 na Turquia, que terminou este fim de semana, segundo o sítio eletrónico do ministério.

Com este aumento, o défice chinês alcançará 1,6 mil milhões de yuan (225.700 milhões de euros), avança o jornal de Hong Kong, South China Morning Post.

A economia chinesa cresceu 7% até junho, com os analistas a preverem que o país chegará a 2015 com um crescimento abaixo dessa meta, devido à queda na procura externa e interna.

No mesmo dia, o Gabinete Nacional de Estatística chinês publicou a revisão do crescimento do Produto Interno Bruto em 2014 para 7,3%, depois de ter realizado novos cálculos.

Como já tinha ocorrido com o número anterior, o aumento de 7,3% é o menor registado pela China em 24 anos, desde 1990.

O valor anual situou-se duas décimas abaixo da previsão do Governo, de 7,5%, e continuou a tendência de desaceleração dos últimos exercícios, depois de aumentos de 7,7% em 2013 e 2012 e de 9,3% em 2011.

A revisão do crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) acontece num momento delicado para a economia chinesa, depois de um verão de oscilações na bolsa do país, que semearam dúvidas na comunidade internacional sobre a estabilidade da segunda economia mundial.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
apple one

Apple One junta vários serviços, chega a Portugal mas com limitações. O que tem

A  90ª edição da Micam, a feira de calçado de Milão, está agendada para os dias 20 a 23 de setembro, com medidas de segurança reforçadas. Fotografia DR

Calçado. Micam arranca este domingo e até há uma nova marca presente

Os ministros da Presidência do Conselho de Ministros, Mariana Vieira da Silva (C), Economia, Pedro Sia Vieira (E) e do Trabalho Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho (D). MANUEL DE ALMEIDA/POOL/LUSA

Portugal é o quarto país da UE onde é mais difícil descolar do mínimo

Governo chinês gastará mais 10% para impulsionar economia