OE2020

Governo com abertura para militares na recruta ganharem salário mínimo

(Miguel Pereira/Global Imagens)
(Miguel Pereira/Global Imagens)

Ministro João Gomes Cravinho afirma que medida custa mais 1,5 milhões de euros, não acomodados no orçamento.

O ministro da Defesa Nacional assumiu esta quarta-feira que o Governo está aberto a trabalhar numa solução para que nenhum militar, mesmo nos três meses da recruta, ganhe menos do que salário mínimo nacional, como acontece agora.

A falta de recrutas e vencimentos baixos nas Forças Armadas foi um dos problemas levantados por todos os partidos no debate, na especialidade, da proposta do Orçamento do Estado de 2020 (OE2020) na área, com João Gomes Cravinho, numa audição conjunta das comissões parlamentar de Orçamento e da Defesa Nacional.

O ministro insistiu que a “valorização das pessoas que fazem a Defesa Nacional” é um dos objetivos deste orçamento, tanto ao nível da saúde militar como nos apoios sociais, através do reforço de verbas para o Instituto de Ação Social das Forças Armadas (IASFA), exemplificou.

Do Bloco de Esquerda ao CDS, os partidos questionaram o governante sobre as medidas a adotar para tentar resolver os problemas da “falta de atratividade” de jovens para as fileiras das Forças Armadas.

Em resposta, Gomes Cravinho reconheceu que nos “nos primeiros três meses” os militares recebem menos do que o salário mínimo nacional, e garantiu que o objetivo do Governo é que “nunca ganhem menos do que salário mínimo, mesmo na recruta”.

Depois de o PSD, através de Carlos Reis, ter admitido viabilizar uma alteração legal e orçamental nesse sentido, o ministro disse que considera essa medida “desejável”, que custa mais 1,5 milhões de euros, não previstos, e que é preciso “acomodar” no atual orçamento.

“Este é um momento de fazer essa discussão, havendo abertura do nosso lado, sobre essa matéria”, afirmou João Gomes Cravinho.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
lisboa casas turismo salarios portugal

Turismo em crise já pensa no day after

O ministro da Economia, Pedro Siza Vieira. TIAGO PETINGA/LUSA

Governo estima que mais de um terço dos empregados fique em lay-off

Mário Centeno, Ministro das Finanças.
Fotografia: Francois Lenoir/Reuters

Folga rara. Custo médio do petróleo está 10% abaixo do previsto no Orçamento

Governo com abertura para militares na recruta ganharem salário mínimo