Greve dos motoristas

Governo decreta serviços mínimos para a greve dos motoristas

O ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Vieira da Silva. (MANUEL DE ALMEIDA/LUSA)
O ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Vieira da Silva. (MANUEL DE ALMEIDA/LUSA)

O Governo decretou serviços mínimos para a greve dos motoristas de matérias perigosas, nomeadamente aos fins de semana e feriados.

Segundo um comunicado enviado esta quarta-feira pelo Ministério do Trabalho e da Segurança Social, os serviços mínimos surgem após um “acordo teórico entre a Antram e o SNMMP”.

O início da greve está marcado para as 00h01 do próximo sábado, 07 de setembro. A paralisação decorre até às 23h59 do dia 22 de setembro.

Ficam abrangidos pelos serviços mínimos os hospitais e serviços de emergência médica, aeroportos, instalações militares, forças de segurança ou bombeiros.

O ministério encabeçado por Vieira da Silva explica que na reunião de 26 de agosto entre o sindicato e os patrões, “a ANTRAM apresentou uma proposta de serviços mínimos a assegurar durante a greve, que mereceu a concordância da ANAREC e da APETRO”.

A reunião que teve lugar na Direção Geral do Emprego e das Relações de Trabalho terminou sem acordo entre as duas partes,

Entretanto, explicita o Ministério, “o SNMMP e as associações de empregadores chegaram a acordo quanto à necessidade de, no âmbito dos serviços mínimos, ser assegurado a 100% o transporte e abastecimento de combustíveis e matérias perigosas destinados ao funcionamento dos hospitais, serviços de emergência médica, centros de saúde, unidades autónomas de gaseificação (UAG), clínicas de hemodiálise e outras estruturas de prestação de cuidados de saúde, nomeadamente associadas a atividades de medicina transfusional, de transplantação, vigilância epidemiológica, cuidados continuados e cuidados domiciliários”.

A ANTRAM pediu, no entanto, serviços mínimos mais alargados, aos quais o SNMMP “declarou a sua concordância ‘em teoria com a proposta de serviços mínimos apresentada’, alegando, contudo, que a mesma não especificava os níveis mínimos a assegurar, sublinhando que nem a ANTRAM nem o SNMMP ‘têm capacidade ou conhecimento para determinar aquilo que são os serviços mínimos imprescindíveis’.

O Governo levou por isso em conta “a concordância teórica das partes quanto à quantificação dos serviços mínimos em alguns pontos”.

E por isso, explica a nota, “não restou ao Governo outra solução legal que não a definição dos serviços mínimos e dos meios necessários para os assegurar”.

Assim, aos sábados, domingos e feriados será assegurado o abastecimento de serviços de saúde, “instalações militares, serviços de proteção civil, aeródromos (que sirvam de base a serviços prioritários), bombeiros e forças de segurança, nas mesmas condições em que o devem assegurar em período homólogo”.

Apenas aos sábados os motoristas terão de realizar “as horas de trabalho necessárias à realização do abastecimento de combustíveis destinados aos portos e aeroportos, nas mesmas condições em que o devem assegurar aos sábados, em período homólogo”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
Governo decreta serviços mínimos para a greve dos motoristas