Energia

Governo defende interesse público no processo de impugnação da EDP

"A EDP entendeu lutar pelos seus direitos impugnando a decisão e nós estaremos cá para defender o interesse público”, disse Galamba.

O secretário de Estado da Energia, João Galamba, disse hoje que o Estado vai defender o interesse público no processo movido pela EDP para impugnar a devolução ao Estado de 285 milhões de euros.

“O Estado e a EDP têm posições diferentes, a EDP entende que a decisão não é legal nós entendemos que é, e, portanto, estas coisas resolvem-se onde devem ser resolvidas, na justiça”, frisou.

E continuou: “a EDP entendeu lutar pelos seus direitos impugnando a decisão e nós estaremos cá para defender o interesse público”.

O secretário de Estado falava à agência Lusa à margem da inauguração de uma unidade de gás natural, em Vila Pouca de Aguiar, no distrito de Vila Real.

A EDP avançou com um pedido de impugnação dos atos que a obrigam a devolver 285 milhões de euros relativos a alegada sobrecompensação no cálculo da disponibilidade das centrais a operar em regime de mercado.

“Em coerência com a posição que expressou em setembro, a EDP decidiu avançar com a impugnação dos atos que materializam a devolução de um montante de 285 milhões de euros, decorrente de uma alegada sobrecompensação quanto ao cálculo do coeficiente de disponibilidade verificado nas centrais que operavam em regime CMEC [Custos de Manutenção do Equilíbrio Contratual]”, adiantou esta semana à agência Lusa fonte oficial da empresa liderada por António Mexia.

Esses atos “violam a lei e devem ser considerados nulos, por carecerem de fundamentação teórica, económica e legal, e afetarem significativamente as compensações que lhe são devidas”, defendeu a mesma fonte.

A Comissão Executiva da EDP, liderada por António Mexia, contesta a decisão do anterior secretário de Estado Jorge Seguro Sanches, com base no estudo da Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) relativo à primeira década dos CMEC, que estimou uma sobrecompensação à EDP de 510 milhões de euros, e suportado por um parecer do Conselho Consultivo da Procuradoria-Geral da República (PGR).

Na altura, depois da EDP ter anunciado o recurso à arbitragem internacional, Jorge Seguro Sanches disse estar “apenas […] a ser rigoroso” na lei e nos contratos sobre os CMEC.

Nas tarifas da eletricidade em mercado regulado para 2019, a ERSE abateu já uma parcela de 90,2 milhões de euros, do total dos 285 milhões de euros a serem devolvidos, relativa à “devolução de parte dos montantes das revisibilidades declaradas parcialmente nulas”, como se lê no relatório publicado na página do regulador do setor energético.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
(Artur Machado / Global Imagens)

Dinheiro Vivo mantém-se líder digital dos económicos

(Artur Machado / Global Imagens)

Dinheiro Vivo mantém-se líder digital dos económicos

O ex-governador do Banco de Portugal (BdP), Vítor Constâncio, fala perante a II Comissão Parlamentar de Inquérito à Recapitalização da Caixa Geral de Depósitos e à Gestão do Banco, na Assembleia da República. TIAGO PETINGA/LUSA

Constâncio: Risco para a estabilidade no crédito a Berardo era “problema da CGD”

Outros conteúdos GMG
Governo defende interesse público no processo de impugnação da EDP