Habitação

Governo discute redução de IRS para rendas baixas e prazos longos

Fotografia:  ESTELA SILVA/LUSA
Fotografia: ESTELA SILVA/LUSA

Diferenciação da taxa liberatória, de 28%, é a principal medida deste âmbito que está a ser negociada com os parceiros parlamentares

O Governo e os parceiros parlamentares estão a discutir alterações ao regime fiscal do arrendamento permanente de casas. A mudança poderá passar por uma redução da atual taxa de IRS sobre os rendimentos das rendas, mas apenas para os proprietários que aceitem fazer longos contratos de arrendamento e pratiquem rendas mais baixas ou a preços controlados. A medida poderá ser aplicada já a partir do próximo Orçamento do Estado.

Está em causa “uma diferenciação da taxa liberatória [28%] para senhorios que pratiquem contratos de arrendamento mais longos e a preços controlados”, adianta Pedro Filipe Soares, líder parlamento do Bloco de Esquerda, em declarações ao jornal Público desta segunda-feira. Das negociações poderá resultar a criação de vários escalões de IRS, mas não está a ser discutida a alteração do teto máximo da taxa, acrescenta o mesmo parlamentar.

Nos últimos meses, quer os proprietários quer os inquilinos têm apresentado várias propostas de diferenciação da taxa. A Associação dos Inquilinos Lisbonenses (AIL) quer criar um modelo de tributação por escalões, com taxas diferentes em função do nível de rendimentos prediais; a Associação Lisbonense de Proprietários (ALP) quer uma diminuição progressiva da taxa liberatória em função dos anos de contrato.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

Eleições europeias: 11,56% dos eleitores votaram até ao meio-dia

Um espécime de um boletim de voto das Eleições Europeias é exibido durante a audição do ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, na Comissão de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias, na Assembleia da República, Lisboa, 09 de maio de 2019.  JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

Líderes partidários já votaram com apelos à participação

A população da freguesia que agrega as aldeias de Morgade, Carvalhais e Rebordelo, mobilizou-se contra a mina a céu aberto anunciada para esta localidade, apelando ao boicote nas Eleições Europeias, em Montalegre, 26 de maio de 2019. FOTO PEDRO SARMENTO COSTA/LUSA

Boicote às eleições na freguesia de Morgade, em Montalegre

Outros conteúdos GMG
Governo discute redução de IRS para rendas baixas e prazos longos