Comboios

Governo e CP “estão a trabalhar” para garantir “níveis adequados de serviço”

(Maria João Gala / Global Imagens)
(Maria João Gala / Global Imagens)

Governo reagiu à notícia avançada pelo Dinheiro Vivo

O Ministério do Planeamento e Infraestruturas diz estar a trabalhar em conjunto com a CP na mudança dos horários dos comboios.

Como o Dinheiro Vivo noticiou este sábado, a empresa prepara-se para cortar ligações nas linhas de Sintra e Cascais e ainda na Linha do Oeste.

Em resposta “a notícias sobre alterações dos horários da CP”, o Ministério liderado por Pedro Marques emitiu um “esclarecimento”.

“O Governo e a CP estão a trabalhar no ajustamento dos horários, de forma a que, atendendo ao equilíbrio entre a oferta e a procura e as condicionantes sazonais, possam ser garantidos níveis adequados de serviço, especialmente nas ligações e nos períodos de maior procura, como são as linhas suburbanas e as horas de ponta”, lê-se na nota.

Tal como o DV avançou, a partir de 5 de agosto deixará de haver comboio direto entre Sintra e Alverca, uma ligação que a CP garantia nas horas de ponta. Já o percurso entre Mira Sintra-Meleças e Rossio passará a ser feito de meia em meia hora, ao invés dos atuais 20 minutos.

Já na linha de Cascais, os comboios vão passar a cada 15 minutos nas horas de ponta, deixando de passar de 12 em 12. São suprimidos dois comboios por hora.

Na Linha do Oeste a CP vai acabar com o comboio direto entre Caldas da Rainha e Coimbra.

A comissão de trabalhadores da empresa justifica as mudanças com os problemas de manutenção nas oficinas da EMEF e a falta de dinheiro para comprar peças.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Foto: JOAO RELVAS / LUSA

Desemprego registado volta a crescer em agosto, supera 409 mil inscrições

Fotografia: Fábio Poço/Global Imagens

AL perdeu quase 3000 casas em Lisboa e Porto. Oferta para arrendar cresce

Manuel Heitor, ministro do Ensino Superior.
(PAULO SPRANGER/Global Imagens)

Alunos vão pagar até 285 euros para ficar em hotéis e alojamento local

Governo e CP “estão a trabalhar” para garantir “níveis adequados de serviço”