Turismo

Governo espera receitas turísticas de 18 mil milhões em 2019

Praia das Rocas, em Pedrógão Grande. (Foto: Filipe Amorim / Global Imagens)
Praia das Rocas, em Pedrógão Grande. (Foto: Filipe Amorim / Global Imagens)

Secretária de Estado do Turismo revela números que indicam que crescimento em Portugal em 2019 abrandou

No ano passado, os gastos dos turistas que visitaram Portugal devem ter ascendido a 18 mil milhões de euros. Os números foram revelados por Rita Marques, secretária de Estado do Turismo, esta quarta-feira, num almoço organizado pela Associação de Hotelaria de Portugal. A confirmar-se será um novo recorde depois do máximo de 16 mil milhões em 2018.

“Temos a estimativa de fechar 2019 com cerca de 18,1 mil milhões de euros” em receitas, disse a governante perante vários empresários da hotelaria, destacando que, em 2027, este contributo deverá ascender a 25,8 mil milhões de euros.

A responsável deu ainda nota de destaque aos valores obtidos no fecho do verão: “atingimos pela primeira vez 2 mil milhões de euros de receitas em setembro de 2019”, exclamou, lembrando que este é um bom argumento para quem acha que ainda é preciso “afirmar o turismo como maior setor exportador da economia portuguesa”.

Rita Marques lembra que o turismo já não cresceu, no ano passado, ao mesmo ritmo dos anos anteriores, mas ainda assim antecipa um fecho de ano com 27 milhões de hóspedes. Ou seja, mais 6,7% do que em 2018.

Com os números finais ainda por apurar pelo gabinete de estatísticas nacional – esta quarta-feira o INE revelou apenas os dados de novembro -, Rita Marques, que sucedeu a Ana Mendes Godinho, revelou “que em todos os mercados temos tido uma evolução genericamente positiva”.

“Não assistindo à taxa de crescimento verificada em 2017, a verdade é que conseguimos em 2019 – estimamos nós – poder suplantar o ano de 2018, que foi já um ano bom, e que era advogado por muitos como um ano de contraciclo”.

A governante assumiu que “o turismo tem tido taxas de crescimento muito interessantes”, e que Portugal está “a entrar num novo capítulo do turismo” em que “há necessidade de advogar que turismo é uma força de bem e que tudo o que traz à nossa economia é positivo”.

Numa afirmação aos objetivos da estratégia 2027, apresentada ainda pela sua antecessora, Marques lembrou que há outro indicador importante – as dormidas. “Considerando as estatísticas, temos tido uma variação de dormidas de estrangeiros de 2,9% em 2019 e, para 2020, o objetivo é atingir uma taxa de 3,5%”.

“Para além das dormidas, há a questão da sazonalidade, que tem de ser reduzida”, evidenciou ainda a governante.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O presidente do Novo Banco, António Ramalho, discursa na cerimónia de lançamento do Projeto de Divulgação Cultural do Novo Banco. Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Bruxelas. Novo Banco custa mais 0,3% do PIB em 2020, vírus não se sabe

(D.R.)

Compras portuguesas de cereais estão seguras. Consumo já cai e volta ao bairro

autoeuropa coronavirus

Siza Vieira: Nem estado de emergência impede Autoeuropa de reabrir a 20 de abril

Governo espera receitas turísticas de 18 mil milhões em 2019