Banca nacional

Governo. Estabilidade do setor financeiro “é crucial” para o investimento

O secretário de Estado do Orçamento, João Leão, disse hoje que a estabilização financeira "é crucial" para a recuperação do investimento.

O secretário de Estado do Orçamento, João Leão, disse hoje que a estabilização financeira “é crucial” para a recuperação do investimento e reforçou que a aceleração dos fundos comunitários é a grande aposta do Governo em termos de investimento.

“Um aspeto crucial para o investimento dos próximos anos é a situação financeira e do setor financeiro em Portugal. Garantir uma adequada estabilização do setor financeiro é fundamental para a recuperação do investimento”, da economia portuguesa e da capacidade das empresas se financiarem, disse João Leão.

O secretário de Estado falava na conferência ‘Projetos de Investimento Público em Portugal – Lições do Passado, Perspetivas de Futuro’, que decorre hoje no ISCTE, em Lisboa.

O secretário de Estado considerou que “é muito difícil” uma economia alcançar um forte crescimento quando “tem um setor financeiro que não está estabilizado”, acrescentando que o Governo “está a dar significativos passos nesse sentido”.

João Leão reforçou ainda a prioridade do Governo na aceleração da execução dos fundos comunitários numa primeira fase.

“Temos uma opção clara por acelerar a execução dos fundos comunitários em 2016 e 2017. Também esperamos que se comece a assistir a uma estabilização e recuperação do investimento público, não só financiado por fundos comunitários, mas também financiado por fundos nacionais”, frisou.

Já à margem do evento, lembrou que no Orçamento do Estado para 2016 “está já prevista uma contrapartida nacional que permite justificar a execução mais rápida dos fundos comunitários” e adiantou que “é natural que ao longo da legislatura possa haver margem para reforçar essa componente e garantir um maior financiamento através de fundos nacionais”.

Durante a sua intervenção na conferência do ISCTE, João Leão falou sobre os números do investimento e destacou a queda de mais de 30% no investimento público e privado entre 2008 e 2014, ano em que este atingiu “um mínimo histórico”, o mais baixo da União Europeia, apenas acima do de Chipre.

João Leão analisou também os valores de 2015, afirmando que a situação se manteve, verificando-se apenas uma pequena recuperação.

“É importante inverter a trajetória de redução de investimento Portugal que atingiu em 2014 e 2015 níveis historicamente baixos de investimento”, disse.

O secretário de Estado reforçou ainda a aposta do Governo na área dos portos e ferrovia, reabilitação urbana, qualificações da população e infraestruturas de apoio à terceira idade.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Banco de Portugal

Bancos concederam moratórias a 741 623 empréstimos entre março e junho

Fotografia: D.R.

OIT. 42% dos jovens viu rendimento reduzir devido à pandemia

recibos verdes

Recibos verdes com trabalho dependente passam a ter apoio

Governo. Estabilidade do setor financeiro “é crucial” para o investimento