Ambiente

Governo francês quer taxar plástico não reciclado a partir de 2019

Plasticos

Governo francês pretende começar a aplicar a partir de 2019 um imposto sobre os produtos de plástico que não tenham sido reciclados.

Objetivo é promover práticas mais amigas do meio ambiente.

“Amanhã, uma garrafa de plástico reciclada irá custar menos ao consumidor”, revelou a secretária de Estado da Ecologia Brune Poirson, numa entrevista publicada hoje no Le Journal du Dimanche.

O consumidor será penalizado se eleger um produto não reciclado e poderá pagar até mais 10% caso opte por esta opção.

Segundo Poirson, haverá uma etiqueta visível em todos os recipientes para indicar se o produto é proveniente ou não de fontes recicláveis.

A meta é mobilizar o consumidor para alternativas com menor impacto ecológico e aumentar a baixa percentagem de reciclagem de plásticos.

O Presidente francês, Emmanuel Macron, prometeu durante a campanha eleitoral alcançar 100% de reciclagem de plástico até 2025 em França, contra os 25% praticados atualmente, de acordo com dados da revista 60 Millions de Consommateurs.

A difusão massiva nas redes sociais de imagens dos oceanos e da fauna marinha a sufocar sob os resíduos de plástico, e o lançamento de iniciativas como os “ataques ao plástico” — reuniões de consumidores que juntam as suas embalagens à saída dos supermercados — começam a gerar respostas políticas um pouco por todo o mundo.

Para o presidente da Federação Francesa de Embalagens Plásticas (Elipso), Emmanuel Guichard, é importante que as alternativas ao plástico existam.

“Para as garrafas, é uma escolha do consumidor que é possível. Mas não devemos esquecer os outros. Hoje há plástico que não é reciclado”, frisou.

Por seu turno, Flora Berlingen, diretora da associação Zero Waste France, disse esperar que os fabricantes “façam o seu jogo para que os consumidores não sejam prejudicados”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Estado ‘devolve’ em deduções 60% do Adicional ao IMI que cobra

Amoreira Óbidos

Espanha desapareceu do mapa e França descobriu o velho oeste português

António Mexia  (EDP) durante a cerimonia de assinatura de financiamento por parte do Banco Europeu de Investimento (BEI) da Windfloat Atlantic. Um projecto de aproveitamento do movimento eólico no mar ao largo de Viana do Castelo.
(Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

EDP quer exportar tecnologia do maior parque eólico flutuante do mundo

Outros conteúdos GMG
Governo francês quer taxar plástico não reciclado a partir de 2019