Governo garante que revisão dos suplementos não corta salários

ng3396594

A nova tabela de suplementos remuneratórios deverá ter uma cláusula de salvaguarda semelhante à prevista na proposta de integração das carreiras especiais na tabela remuneratória única (TRU) de forma a impedir perdas de rendimentos, disse esta quarta-feira o secretário de Estado da Administração Pública.

“O Governo não está aq utilizar estes mecanismos como mecanismos de redução salarial”, afirmou José Leite Martins, acentuando estar “em crer que haverà [para os suplementos] uma solução próxima dessa [TRU].

Na passada quinta-feira, a ministra das Finanças assegurou que a integração de todas as carreiras na nova Tabela Remuneratória Única não iria implicar nem diminuições nem aumentos do salário base. Paqra assegurar este objetivo, o

funcionário público será colocado num nível virtual caso o seu salário não coincida com as posições remuneratórias da tabela.

Este tipo de cláusula de salvaguarda deverá também ser criando no novo modelo de suplementos remuneratórios que está a ser equacionado e cuja proposta será divulgada dentro de pouco tempo.

José Leite Martins que está a ser ouvido na Comissão de Orçamento e Finanças têm sido questionado pelos deputados sobre a eventual manutenção ou eliminação da norma atualmente prevista na lei e que assegura que na primeira progressão de nível remuneratório, o funcionário que está numa posição intermédia (ou virtual) nunca possa ficar a receber menos de 28 euros. Leite Martins referiu, no entanto, que esta é uma questão que será equacionda a seu tempo, ou seja, quando forem descongeladas as progressões.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Fotografia: Tiago Melo

Crédito chega às famílias mas nunca foi tão baixo para as empresas

Passageiros de um cruzeiro aportado em Lisboa, 22 de dezembro de 2017. Fotografia: Artur Machado/Global Imagens

10.º maior destino das exportações não é um país, são barcos e aviões

Maria Luís Albuquerque posa após entrevista nos estúdios da TSF. Economista, professora universitária e Ministra das Finanças de Portugal entre 2013 e 2015 é deputada e Vice Presidente do Partido Social Democrata (PSD). 
(Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Maria Luís: “Acho difícil que o PS apresente um OE que mereça a nossa aprovação”

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Governo garante que revisão dos suplementos não corta salários