Investimento

Governo: Procura de apoio ao investimento é o dobro da oferta

João Vasconcelos, Fotografia: Global Imagens
João Vasconcelos, Fotografia: Global Imagens

Secretário de Estado da Indústria assinala candidaturas ao co-financiamento de empresas, através das linhas de capital de risco e 'business angels'

O secretário de Estado da Indústria disse hoje que as candidaturas ao cofinanciamento de empresas, através das linhas de capital de risco e ‘business angels’, tiveram uma procura superior em duas vezes a oferta.

João Vasconcelos, que falava em Aveiro na abertura do Fórum Nacional de Tecnologia “Techdays” referiu que “as candidaturas ultrapassaram em muito as expectativas, com 87 entidades veículo a apresentarem intenções de investimento de 101 milhões de euros, solicitando uma comparticipação de 57 milhões de euros, na linha de investimentos “business angels”, para que o Estado disponibiliza 26 milhões de euros.

À linha de investimento com capitais de risco, que tem 100 milhões de euros disponíveis, candidataram-se 26 sociedades, que querem constituir fundos de capital de risco em Portugal e cujas intenções de investimento ascendem a 427 milhões de euros, com uma comparticipação pública de 196 milhões de euros, adiantou.

O secretário de Estado aproveitou para anunciar o lançamento dos vales de incubação que vão disponibilizar 10 milhões de euros para as ‘startup’ contratarem serviços às incubadoras e se integrarem em redes.

Na cerimónia de abertura do Fórum Nacional de Tecnologia “Techdays”, a decorrer em Aveiro, o reitor da Universidade de Aveiro, Manuel Assunção, destacou a importância da comunicação e educação para a Ciência, “sem a qual vai ser difícil mudar significativamente as entradas no ensino superior”.

“Assistimos a algo este ano positivo, mas muito marginal. Ficaram mais de 25 mil pessoas que acabaram o 12º ano fora do ensino superior e há um trabalho imenso que não conseguirá ter sucesso se não tivermos a comunicação em ciência como questão central”, disse.

Manuel Assunção considerou que é preciso “formar para a mudança, investigar para a inovação, cooperar para passar o conhecimento à economia”, ainda pouco presente na cultura nacional.

Alexandre Fonseca, responsável tecnológico do grupo Altice, considerou que a transformação da PT Inovação, com sede em Aveiro, no Altice Labs, centro de inovação e desenvolvimento do grupo para todo o mundo “é já um sucesso”.

“Nove meses depois, o compromisso é um sucesso, porque comercialmente estamos a atingir o objetivo de crescer na venda de produtos tecnológicos para todo o mundo: temos mais de 20 projetos ativos em todo o universo Altice, municiando operadores dos EUA, França, Israel, República Dominicana e África, com tecnologia e capital intelectual português”, destacou.

Afirmando que o grupo Altice “é o que mais investe em inovação entre os operadores de telecomunicações em Portugal”, Alexandre Fonseca anunciou, na abertura do Techdays, a criação do “Prémio Inovação PT”, que atribuirá prémios de 15 mil euros para ‘startups’ e de 5 mil euros para finalistas de Mestrados e Doutoramentos.

O presidente da Câmara de Aveiro, Ribau Esteves, justificou a organização do certame pela aposta do seu executivo “na atividade económica e na qualidade de vida dos cidadãos, colocando a tecnologia como peça indutora de desenvolvimento”.

O autarca salientou não se tratar de uma iniciativa isolada, mas sim integrada numa estratégia local e regional, com “outras peças instrumentais”, como o polo da incubadora de empresas da Região de Aveiro, a divulgação das linhas de apoio ao empreendedorismo do Portugal 2020, as candidaturas aos programas de desenvolvimento local de base comunitária, o Parque de Ciência e Inovação e a candidatura às áreas de localização empresarial, para qualificar a Zona Industrial de Taboeira.

“Estamos a fechar investimentos muito importantes na área da indústria, do imobiliário e do grande comércio, de investidores nacionais e de dimensão internacional. Temos um conjunto de oito investimentos com um valor total de 420 milhões de euros, geradores de 450 novos postos de trabalho, alguns com problemas para resolver, para prosseguirmos este caminho de crescimento”, concluiu.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
José Vieira da Silva, ministro do Trabalho, e Mário Centeno, das Finanças. Fotografia: Mário Cruz/Lusa

Governo PS congelou mais despesa em 3 anos que PSD-CDS na legislatura toda

O comércio é dos setores mais dinâmicos: nascem muitas empresas novas, mas também encerram muitas. Fotografia: D.R.

Número de empresas a fechar duplicou

Ministro das Finanças de Angola, Archer Mangueira. Fotografia: Direitos Reservados

Archer Mangueira garante solução para dívida a empresas até final do ano

Outros conteúdos GMG
Governo: Procura de apoio ao investimento é o dobro da oferta