Floresta

Governo quer aumentar a produção do eucalipto

Luís Capoulas Santos. ministro da Agricultura.
Luís Capoulas Santos. ministro da Agricultura.

O Governo garante que pretende "aumentar a produção e a produtividade do eucalipto" e que continuará a apoiar o setor do celulose e do papel.

O Governo garante que pretende “aumentar a produção e a produtividade do eucalipto” e que continuará a apoiar o setor do celulose e do papel, em reposta às críticas feitas pela Associação da Indústria Papeleira (CELPA).

Em anúncios publicados esta sexta-feira na imprensa, a CELPA defende que a proibição de plantação de novas áreas de eucalipto é um “enorme prejuízo para a economia portuguesa”, parte de uma “ideia errada e preconceituosa” e não tem fundamentação técnico-científica.

Questionado pela Lusa, o Ministério da Agricultura respondeu que “contrariamente ao que é dito, o Governo pretende aumentar a produção e a produtividade do eucalipto, permitindo que se façam novas plantações de eucalipto em áreas de maior produtividade, por contrapartida à redução de áreas de fraca produtividade”.

O gabinete de Luís Capoulas Santos salientou que a indústria da celulose e do papel é “fundamental para a economia nacional”, pelo que apoia e “continuará a apoiar o setor, nomeadamente através da atribuição de fundos nacionais e comunitários destinados à exploração florestal, incluindo os povoamentos de eucalipto”.

“Em suma, o Governo pretende, simultaneamente, travar a expansão da área de eucalipto, que se tornou já a espécie dominante na nossa floresta, e aumentar a disponibilidade de matéria-prima para a indústria da celulose”, acrescenta.

Uma das propostas do executivo em discussão para a reforma das florestas diz respeito à alteração do regime jurídico das ações de arborização e rearborização, para “reforçar os mecanismos de comunicação entre todas as entidades e criar regras para o cultivo do eucalipto”.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Ministério das Finanças

Situação dos precários em regime de outsourcing também vai ser avaliada

Lisboa é uma das autarquias que cobram taxa máxima da derrama de IRC. Fotografia: José Carlos Pratas/Global Imagens

Câmaras perdoam taxas às empresas em ano de eleições

União Europeia está a recrutar

Portugal com a terceira maior dívida da UE em 2016

Outros conteúdos GMG
Conteúdo Patrocinado
Governo quer aumentar a produção do eucalipto