Energia

Governo quer descida dos preços no gás de botija

O Governo quer baixar os preços do gás engarrafado e já anunciou que a produção e armazenagem de GPL não pode estar nas mãos de duas ou três empresas.

O Governo vai avançar com a declaração de interesse público das instalações de armazenagem de gás de Sines (Sigás) e de Perafita (Pergás) com o objetivo de aumentar a concorrência no mercado do gás de petróleo liquefeito (GPL), nomeadamente o comercializado em botijas de butano ou de propano. A medida concederá acesso a operadores não acionistas dos referidos terminais, a preços tabelados, à semelhança do que já sucede no terminal CLC, em Aveiras, desde há um ano. O objetivo é baixar os preços ao consumidor.

Distribuicao de Gas NET

De acordo com o estudo apresentado esta semana pela Autoridade da Concorrência (AdC), cerca de 2/3 do fornecimento de GPL provém dos dois maiores operadores – a Galp e a Rubis – que são, também, os proprietários dos referidos terminais de armazenamento e enchimento. Dado que o regime liberalizado em 1990 não alterou a dinâmica de preços deste mercado, avaliado em pelo menos 650 milhões de euros anuais, a AdC recomendou a medida de estímulo à entrada de novos operadores, a par de outras medidas já em vigor.

Preços de referência

Mas o maior custo nas botijas não estará na armazenagem e no enchimento. Segundo os preços de referência da Entidade Nacional para o Mercado de Combustíveis, para a semana de 1 a 15 deste mês, o preço por kg do gás butano foi de 0,711€, decomposto da seguinte forma: 65,5% cotação internacional (0,466€), 18,7% de IVA (0,133€), 9,6% enchimento (0,068€), 3,8% Imposto Sobre Produtos Petrolíferos (ISP, 0,27€) e 2,4% de descarga, armazenamento e reservas (0,017€). Isto significa que a passagem por aquelas instalações custa menos de 1€ numa botija de 11 kg de butano, ficando o custo total em 7,8€, a que acrescem as margens dos distribuidores e dos revendedores.

“Garanto que a margem maior não fica nos revendedores. Até há alguns a desistir do negócio porque não dá”, assegura João Santos, vice-presidente da Associação Nacional de Revendedores de Combustíveis (Anarec). “Só há dois fornecedores no mercado e são eles que ditam os preços”, diz.

Rececão e troca de garrafas

Outra das mais importantes medidas para baixar o preço do gás de botija entrou em vigor no ano passado e diz que a receção e troca de botijas, independentemente da marca, tem de ser obrigatoriamente feita por todos os revendedores, facilitando a troca de marca por parte do cliente e limitando o açambarcamento de vasilhames da concorrência. A Galp, a Repsol, a Rubis, a Oz e a Associação Portuguesa de Empresas Petrolíferas interpuseram uma providência cautelar contra esta medida e estarão em vias de ter êxito, segundo a Anarec.

“O que nos dizem os advogados é que as petrolíferas estarão encaminhadas para vencer a ação”, desabafa João Santos. Para baixar realmente os preços do gás de botija, defende, seria mais importante a adoção do redutor universal visto que, na prática, a peça que liga o tubo de gás à botija e varia consoante as marcas, é o maior entrave à livre escolha de marca por parte do cliente.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
Governo quer descida dos preços no gás de botija