ADSE

Governo quer limitar preços máximos na ADSE

(Gonçalo Villaverde / Global Imagens)
(Gonçalo Villaverde / Global Imagens)

O Governo quer impor limites máximos aos preços praticados na ADSE, para os medicamentos, próteses e cirurgias.

O Governo quer intervir de forma mais ativa na gestão da ADSE – sistema de assistência na doença para os funcionários e aposentados do Estado – impondo limites máximos aos preços pagos aos hospitais privados pelos medicamentos, próteses e cirurgias, avança esta sexta-feira o Público.

O Governo propõe duas alterações ao Decreto-lei 7/2007. A primeira reforça o poder dos ministérios que já tutelam esta pasta – ministério da Saúde e das Finanças, adicionando mais uma competência nas suas funções. A segunda alteração prevê a imposição de um limite para as despesas da ADSE.

Segundo esta proposta, os preços dos medicamentos ficam limitados ao preço de venda ao público, ou ao hospital, acrescido de 40% ao valor mais baixo. Para os dispositivos médicos, o limite fixa-se no preço médio faturado à ADSE nos últimos três anos. No caso das cirurgias segue-se o mesmo princípio, quando o número de procedimentos faturados à ADSE for superior a 30 no período de referência, refere o jornal.

Para os membros do Conselho Geral de Supervisão (CGS), esta medida é uma forma do Governo retirar competências ao atual conselho diretivo da ADSE, passando assim a ter mais responsabilidades pela despesa da ADSE. Para a administração pública, a proposta “subverte o princípio da gestão participada” e “reforça um modelo excessivamente tutelado pelos ministérios”, cita o Público. A Associação Portuguesa de Hospitalização Privada (APHP) considera que, limitar os preços a aplicar pela ADSE, é retroceder no processo negocial em curso.

Em outubro no ano passado, o conselho diretivo da ADSE apresentou ao CGS e aos privados uma proposta para rever os preços praticados. Nessa proposta, o objetivo era controlar a despesa com a ADSE e corrigir a faturação excessiva.

O conselho diretivo da ADSE e os hospitais privados continuam em negociações para a definição de uma nova tabela de preços.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A presidente do Conselho das Finanças Públicas, Teodora Cardoso. TIAGO PETINGA/LUSA

Teodora Cardoso alerta para controlo da despesa na saúde

No segundo trimestre deste ano, o aeroporto de Lisboa movimentou 7,7 milhões de passageiros.

Aeroporto de Lisboa recebe mais de 7 milhões de turistas no segundo trimestre

DriveNow é uma das duas empresas com partilha de carros sem estacionamento fixo dentro de Lisboa.

Lisboa vai ter lugares só para carsharing. Saiba onde poderá estacionar

Outros conteúdos GMG
Governo quer limitar preços máximos na ADSE