supervisão financeira

Governo quer que supervisores financeiros sigam regras iguais

Mário Centeno, ministro das Finanças. ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA
Mário Centeno, ministro das Finanças. ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

O ministério das Finanças também está a ponderar uniformizar a duração do período de nojo (período de 'cooling off') para os supervisores financeiros.

O Governo está a avaliar a definição de regras iguais para os três supervisores financeiros em Portugal: a Comissão de Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões (ASF) e o Banco de Portugal (BdP). Atualmente, os supervisores seguem regras diferentes: a CMVM e a ASF estão limitadas no seu orçamento pela lei-quadro das entidades reguladoras, estatuto que deverá ser eliminado.

Duração de mandatos – e possibilidade de renovação – processo de designação, o período de nojo, a composição de todos os órgãos (conselhos de administração, consultivos e fiscalizadores) e a remuneração dos fiscalizadores deverão ser iguais para os três supervisores, segundo o Jornal de Negócios desta quinta-feira. As plataformas de reclamações das três entidades vão ficar juntas numa única, aumentando a eficiência deste serviço.

A alteração no modelo de supervisão financeira em Portugal partiu de uma proposta desenvolvida por um grupo de trabalho pelo ex-presidente da CMVM, Carlos Tavares. O grupo defende ainda que devem ser alteradas a regras de nomeação para os supervisores com poderes executivos.

Período de nojo igual para todos

O ministério das Finanças também está a ponderar uniformizar a duração do período de nojo (período de ‘cooling off’) para os supervisores financeiros, bem como a equiparação das incompatibilidades previstas para os titulares de cargos públicos nos órgãos sociais destes três superiores, acrescenta o Negócios. O objetivo é garantir que há um uso correto de informações na passagem de umas funções para outras, promovendo um comportamento ético. Atualmente, o período de nojo é de dois anos.

 

O processo está quase concluído, mas falta o consenso entre os supervisores financeiros, que já se manifestaram contra algumas destas medidas apresentadas pelo Governo.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Ricardo Mourinho Félix, Secretário de Estado Adjunto e das Finanças. 
( Filipa Bernardo/ Global Imagens )

“Cidadãos não vão tolerar situações que ponham estabilidade financeira em risco”

Ricardo Mourinho Félix, Secretário de Estado Adjunto e das Finanças. 
( Filipa Bernardo/ Global Imagens )

“Cidadãos não vão tolerar situações que ponham estabilidade financeira em risco”

Lisboa, 22/11/2019 - Money Conference, Governance 2020 – Transparência e Boas Práticas no Olissippo Lapa Palace Hotel.  António Horta Osório, CEO do Lloyds Bank

( Filipa Bernardo/ Global Imagens )

Horta Osório: O malparado na banca portuguesa ainda é “muito alto”

Outros conteúdos GMG
Governo quer que supervisores financeiros sigam regras iguais