Programa de Estabilidade

Governo revê em alta metas do défice público de 2017 a 2019

Pedro Nuno Santos, Mário Centeno e António Costa. Fotografia: MÁRIO CRUZ/LUSA
Pedro Nuno Santos, Mário Centeno e António Costa. Fotografia: MÁRIO CRUZ/LUSA

Défice revisto em alta ligeira para 1,5% este ano. Taxa de desemprego desce um ponto percentual (face ao PE de abril de 2016), para 9,9% da população ativa.

O rácio do défice público medido em função do Produto Interno Bruto (PIB) nos três anos que vão de 2017 a 2019 deverá ser revisto em alta pelo governo no Programa de Estabilidade (PE) face há um ano, e que será aprovado em Conselho de Ministros nesta quinta-feira, para depois ser enviado ao Parlamento.

De acordo com informações apuradas pelo Diário de Notícias (DN), o défice deste ano deve ficar em 1,5% do PIB (era 1,4% no Programa de Estabilidade de abril de 2016). Em todo o caso, a marca é ligeiramente mais baixa do que a do Orçamento do Estado de 2017, feito em outubro. Aqui, esperava-se um défice de 1,6%.

Em 2018, a nova meta do Executivo é um défice 1% (era 0,9%); em 2019, passa a ser défice de 0,3% (era 0,1%).

Os primeiros números sobre este assunto foram avançados durante a tarde de quarta-feira pelo Expresso online.

Ainda de acordo com o DN, as contas públicas portuguesas passam a ser excedentárias em 2020, altura em que o saldo orçamental começa a ser positivo. O novo Programa de Estabilidade aponta agora para um excedente de 0,4% do PIB em 2020 (igual à projeção do PE do ano passado).

O governo projeta ainda que o excedente orçamental suba para 1,3% em 2021, um valor histórico e sem precedentes na História moderna do país.

Em 2016, soube-se oficialmente, pelo INE, esta quarta-feira, o défice orçamental português ainda foi um pouco mais baixo do que se estimava. Será 2% (há poucas semanas o INE tinha calculado 2,1%), o melhor registo da História democrática.

Estas revisões em alta ligeiras do défice até 2019 acabam por ser um sinal para os partidos da esquerda que apoiam um governo (CDU e PCP), que têm criticado o governo por estar a ir mais longe do que é exigido pelas regras europeias, para mais agora que o défice já está abaixo do limiar dos 3%.

Menos desemprego

O défice sobe ligeiramente de nível nos próximos três anos, mas o desemprego vai no sentido contrário. Segundo os dados obtidos pelo DN, este ano a taxa de desemprego desce um ponto percentual (face ao PE de abril de 2016), para 9,9% da população ativa.

Em 2018, o desemprego alivia para 9,3% (previa-se 10,4% há um ano); em 2019, desce para 8,6% (era 9,8%); em 2020, a taxa diminui para 8% (era 9%).

E chega a 2021 nos 7,4%, sendo preciso recuar até 2003 para encontrar um valor deste calibre, mostram as séries da Comissão Europeia.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Plasticos

Garrafas de plástico a troco de descontos nos supermercados só em março

rui

Rui Rio reeleito quer “começar a ganhar o país” com o PSD

Foto: DR

Portugueses gastam 196 milhões em comida pronta nos supermercados

Governo revê em alta metas do défice público de 2017 a 2019