Governo suspende todos os voos de e para fora da União Europeia

Há exceções como os países com forte presença de portugueses e também para os países de língua portuguesa. Mais de 400 portugueses repatriados.

O Governo decidiu suspender todos os voos para fora da União Europeia (UE), a partir das 24 horas de amanhã. Mas há duas exceções: os países com forte presença de comunidades portuguesas e com os países de língua portuguesa (PALOP). A interdição vai durar 30 dias, ou seja, os Estados-membros aprovaram a proposta da Comissão Europeia.

"A partir das 24 horas de amanhã, de forma a dar tempo suficiente à rotação quer de aviões, quer das pessoas, estarão suspensos todos os voos internacionais para fora dos espaço da UE e de fora do espaço da UE com destino a qualquer aeroporto nacional", afirmou o primeiro-ministro numa conferência de imprensa depois da reunião do Conselho Europeu através de videoconferência.

Mas há exceções. "Primeiro os voos para países extracomunitários com forte presença das comunidades portuguesas", estando incluídos neste lote os Estados Unidos, o Canadá, a África do Sul e a Venezuela.

Quanto à segunda exceção, "manteremos as ligações aéreas com todos os países de língua oficial portuguesa com quem existe uma especial relação e com quem vamos salvaguardar nesta situação de crise", afirmou António Costa, ressalvando que em relação ao Brasil "serão restringidas as rotas exclusivamente a dois pontos: Lisboa-Rio de Janeiro e Lisboa-São Paulo, sendo suspensas todas as rotas para destinos eminentemente turísticas", esclareceu o chefe do Governo.

Repatriados mais de 400 portugueses

Os chefes de Estado e de Governo decidiram ainda reforçar a coordenação para repatriar cidadãos europeus. "Foi decidido uma maior articulação de esforço de repatriamento de cidadãos nacionais que estão em países terceiros que estão em trabalho ou em férias ou qualquer outro motivo e que, por via do cancelamento de voos internacionais, têm tido dificuldade de poderem regressar", afirmou o primeiro-ministro.

"Ao longo do último mês já pudemos assegurar o repatriamento de 408 portugueses dos mais diversos países e continentes", acrescentou António Costa. O primeiro-ministro revelou ainda estar a "acompanhar permanentemente ou através das nossas embaixadas dos nossos serviços consulares ou do centro de emergência consular, centenas de outros compatriotas nossos que desejam regressar ou que pretendem informações sobre o que fazer caso pretendam regressar".

Notícia atualizada pela última vez às 20h00

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de