Rating

Governo também espera para breve subida do ‘rating’ de Portugal

O secretário de Estado das Finanças, Ricardo Mourinho Félix (E), acompanhado pelo ministro das Finanças, Mário Centeno (D), fala durante a audição do Ministro perante a Comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa, na Assembleia da República, em Lisboa, 11 de julho de 2018. ANTÓNIO COTRIM/LUSA
O secretário de Estado das Finanças, Ricardo Mourinho Félix (E), acompanhado pelo ministro das Finanças, Mário Centeno (D), fala durante a audição do Ministro perante a Comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa, na Assembleia da República, em Lisboa, 11 de julho de 2018. ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Em abril, a Moody's adiantou que o 'rating' atribuído a Portugal será melhorado se concluir que os progressos alcançados a nível orçamental.

O Governo também tem a expectativa de que as agências de notação elevem em breve o ‘rating’ de Portugal, como vaticinou o diretor do Mecanismo Europeu de Estabilidade, afirmou hoje em Viena o secretário de Estado das Finanças.

Depois de Klaus Regling ter hoje considerado provável que as agências melhorem ainda mais o ‘rating’ de Portugal “num futuro próximo”, o que poderá levar a “um círculo virtuoso”, Ricardo Mourinho Félix disse, à saída da reunião informal de ‘rentrée’ do Eurogrupo, que essa é também a expectativa do Governo, face ao “progresso que tem sido feito”.

“O Governo tem trabalhado no sentido de adotar medidas e de continuar uma estratégia que foi definida desde o início. Vamos ter agora, proximamente, avaliações pelas agências de rating, e esperamos que as agências de ‘rating’ reconheçam esse progresso que tem sido feito e que isso se traduza em ‘upgrades’ e em revisões do ‘outlook’ das diferentes agências de ‘rating'”, declarou Mourinho Félix.

Pouco antes, na conferência de imprensa no final da reunião do Eurogrupo, presidida por Mário Centeno, e na qual Comissão Europeia e o Banco Central Europeu (BCE) deram conta das conclusões da sua oitava missão de vigilância pós-programa a Portugal, que consideraram “globalmente positiva”, Klaus Regling interveio para sublinhar que, “do lado dos mercados”, as notícias também são “bastante positivas”, e vaticinou que Portugal poderá mesmo beneficiar, em breve, de um “círculo virtuoso”.

“Os investidores regressaram a Portugal. Este é um desenvolvimento positivo. E há mesmo a possibilidade de os ‘ratings’ (avaliações) melhorarem ainda mais num futuro próximo, e pode então ter início um círculo virtuoso, em que os juros da dívida baixem ainda mais e os ‘spreads’ encolham ainda mais. E isso é tudo positivo”, declarou.

Em abril passado, a agência de notação financeira Moody’s adiantou que o ‘rating’ atribuído a Portugal será melhorado se concluir que os progressos alcançados a nível orçamental e económico são sustentáveis, e se a redução da dívida for constante.

A Moody’s tinha agendado uma revisão do ‘rating’ atribuído a Portugal, mas optou por não se pronunciar, mantendo a avaliação da dívida portuguesa em ‘Ba1’, uma notação que é considerada ‘lixo’, devendo esta agência de notação voltar a pronunciar-se sobre Portugal em meados de outubro.

A agência norte-americana continua a ser a única entre as quatro maiores a atribuir à dívida pública portuguesa uma nota especulativa, depois de Standard & Poor’s (S&P), Fitch e DBRS já terem colocado Portugal no patamar de investimento.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O ministro das Finanças, Mário Centeno. Fotografia: TIAGO PETINGA/LUSA

Governo ganha 128 milhões de euros em receita com aumentos da função pública

Autoridade para as Condições do Trabalho

Inspetores do Estado contra “140 anos para chegar ao topo da carreira”

António Mexia, presidente executivo da EDP. Fotografia: REUTERS/Pedro Nunes

Chineses da EDP não abdicam de desblindar estatutos. OPA quase morta

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Governo também espera para breve subida do ‘rating’ de Portugal