Apoio às empresas

Governo tem 3.500 milhões de euros para apoiar as empresas

Lisboa, 31/10/2017 - Manuel Caldeira Cabral, durante uma entrevista na TSF. Economista e professor universitário é o atual Ministro da Economia desde novembro de 2015.
(Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)
Lisboa, 31/10/2017 - Manuel Caldeira Cabral, durante uma entrevista na TSF. Economista e professor universitário é o atual Ministro da Economia desde novembro de 2015. (Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Este valor será canalizado através de várias linhas de financiamento: a 'Capitalizar 2018', a 'Capitalizar MidCaps' e 'Capitalizar Exportações'.

O ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, anunciou esta terça-feira que vão ser lançadas na quarta-feira “linhas de 3.500 milhões de euros de disponibilidade de financiamento às empresas”.

“Vamos lançar amanhã uma série de novas linhas” de financiamento às empresas, afirmou Manuel Caldeira Cabral na comissão parlamentar de Economia, Inovação e Obras Públicas.

“São linhas de 3.500 milhões de euros de disponibilidade de financiamento às empresas”, disse o governante.

Estas medidas permitem “financiar a atividade e o investimento com melhores condições”, alargando a outro tipo de empresas, as ‘MidCaps’, de média e grande dimensão, além também dos apoios às que apostam na exportação, explicou.

Na quarta-feira serão apresentados os apoios, onde consta a linha Capitalizar 2018, com um montante de 1.600 milhões de euros, apoiando projetos da indústria 4.0, e a linha Capitalizar MidCaps, com 500 milhões de euros, que prevê investimentos de pequenas e médias empresas (PME) e ‘MidCaps’, e resulta do reforço do papel do IFD como instituição promocional portuguesa.

A linha Capitalizar Exportações, no valor de 600 milhões de euros, irá financiar as empresas exportadoras.

O programa capitalizar no ano passado teve “uma execução que superou muito a sua capacidade de financiamento e cofinanciamento”, ao atingir 2.400 milhões de euros, sendo que foram abrangidos 25.000 empresas e 335.600 empregos.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Paulo Azevedo, Chairman e Co-CEO da Sonae, e Ângelo Paupério, Co-CEO da Sonae.

(Leonel de Castro / Global Imagens)

Sonae SPGS com lucros de 200 milhões até setembro

Veículos estacionados no porto de Setúbal, durante a greve dos estivadores precários, em Setúbal, 14 de novembro de 2018. Em causa está um diferendo laboral desencadeado por um grupo de estivadores precários e a empresa de trabalho portuário Operestiva, que afeta várias empresas, entre as quais a Autoeuropa. ANDRÉ AREIAS/LUSA

Setúbal: Operestiva disposta a negociar se estivadores voltarem ao trabalho

Primeira-ministra Theresa May, 14 de novembro de 2018. EPA/FACUNDO ARRIZABALAGA

Brexit: May consegue apoio do Governo e aprova rascunho do acordo final

Outros conteúdos GMG
Governo tem 3.500 milhões de euros para apoiar as empresas