auxílios de estado

Governo tem de assumir que “resto do país não conta” para justificar ajuda à TAP

O presidente executivo da TAP, Antonoaldo Neves. (NUNO FOX/LUSA)
O presidente executivo da TAP, Antonoaldo Neves. (NUNO FOX/LUSA)

Supremo Tribunal Administrativo autorizou na sexta-feira o Governo a avançar com a injeção de capital à TAP.

O presidente da Associação Comercial do Porto (ACP) considerou hoje que o Governo terá de assumir que “o resto do país não conta” para justificar que o adiamento na ajuda à TAP “seria gravemente prejudicial ao interesse público”.

O Supremo Tribunal Administrativo (STA) autorizou na sexta-feira o Governo a avançar com a injeção de capital à TAP, se demonstrar que o adiamento da ajuda “seria gravemente prejudicial para o interesse público”, informou a companhia aérea.

Em declarações à Lusa, na sequência da informação enviada ao mercado pela TAP a dar conta da decisão do STA, o presidente da ACP, Nuno Botelho, afirmou que para tal, o Governo terá de assumir que Lisboa “vale 96%” e que isso terá “consequências jurídicas e políticas”.

“Para justificar o financiamento à TAP, o Governo tem que assumir que Lisboa vale 96% e que o resto do país não conta, é mesmo paisagem. Acho que o Governo não vai querer concordar com este pressuposto”, disse o dirigente da ACP.

A Associação Comercial do Porto interpôs, em 20 de junho, uma providência cautelar junto do STA, que foi admitida liminarmente, para impedir a injeção de 1,2 mil milhões de euros do Estado na TAP.

Nuno Botelho acrescenta ainda que, “para que a vontade do Governo avance efetivamente”, terá de ser submetida a resolução fundamentada a justificar urgência no interesse público.

“A questão está em saber se pode justificar mesmo quando o Porto e resto do país só têm 4% dos voos”, precisa, para acrescentar que “seria uma justificação com evidentes consequências jurídicas e políticas”.

A Lusa procurou obter uma reação do Ministério das Infraestruturas e Habitação, mas ainda não obteve resposta.

Esta sexta-feira, num comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a TAP informou sobre a decisão do STA que refere que “o Conselho de Ministros […] poderá praticar o ato administrativo [injeção de capital], mas apenas poderá iniciar ou prosseguir a execução do mesmo no caso de, mediante resolução fundamentada, reconhecer que o diferimento da execução […] seria gravemente prejudicial para o interesse público”.

O Governo tem 15 dias para justificar que o adiamento da injeção de capital na companhia aérea portuguesa “seria gravemente prejudicial para o interesse público”.

O STA também indeferiu “o decretamento provisório da providência cautelar” pedido pela ACP, determinando, no entanto, que, para poder avançar com a ajuda financeira, o Governo demonstre que o atraso na injeção de capital prejudica “o interesse público”.

Os fundamentos jurídicos da providência cautelar interposta pela ACP “assentam em três argumentos essenciais”, entre os quais o “desrespeito pelo princípio do equilíbrio territorial”, uma vez que o plano de voos da TAP “concentra 96 por cento dos voos internacionais no aeroporto” Humberto Delgado, em Lisboa, “marginalizando o aeroporto do Porto [Francisco Sá Carneiro] e ignorando os demais”.

A “defesa do princípio da transparência, uma vez que, se a TAP é uma empresa privada, deve viver dos seus próprios recursos”, e a “promoção do princípio da racionalidade” são os outros dois argumentos.

A ACP também garantiu que apresentaria “no prazo de uma semana e meia” um “plano B” para assegurar a viabilidade da TAP, mesmo que centrada apenas em Lisboa, e simultaneamente dar “apoio expresso” aos restantes aeroportos.

Na terça-feira, fonte oficial da ACP disse à Lusa que o STA iria pedir ao Governo documentos, “até agora não públicos”, depois de admitir a providência cautelar.

No dia seguinte, o presidente do Conselho de Administração da TAP, Miguel Frasquilho, disse que ficou “muito surpreendido” com a providência cautelar da ACP para travar o auxílio estatal à companhia aérea.

O Estado (através da Parpública) já detém 50% da TAP, resultado das negociações do Governo de António Costa com o consórcio Gateway (de Humberto Pedrosa e David Neeleman), que ficou com 45% do capital da transportadora, e os restantes 5% da empresa estão nas mãos dos trabalhadores.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Fotografia: José Carmo/Global Imagens

ISEG estima queda do PIB entre 8% e 10% este ano

António Mota, fundador da Mota-Engil. Fotografia: D.R.

Mota-Engil é a única portuguesa entre as 100 maiores cotadas do setor

António Rios Amorim, CEO da Corticeira Amorim. Fotografia: Tony Dias/Global Imagens

Lucros da Corticeira Amorim caíram 15,1% para 34,3 milhões no primeiro semestre

Governo tem de assumir que “resto do país não conta” para justificar ajuda à TAP