Desconfinamento

Grande Lisboa continua em estado de contingência até final de agosto

fabrica trabalhadores marcelo antonio costa salarios
O presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa (E), acompanhado pelo primeiro-ministro, António Costa, posam para uma fotografia com trabalhadores durante uma visita a uma fábrica, na zona industrial de Ovar. JOSÉ COELHO/LUSA

O resto do País permanece em estado de alerta, avança o Observador. Decisão será anunciada após o Conselho de Ministros desta quinta-feira.

Portugal vai continuar a duas velocidades em termos de confinamento até ao final de agosto. A Área Metropolitana de Lisboa (AML) vai manter-se em estado de contingência; o resto do País permanece em estado de alerta, avança o Observador. A decisão será formalmente anunciada após o Conselho de Ministros desta quinta-feira.

De acordo com o jornal online, que confirmou esta informação junto de fontes governativas, também irão manter-se todas as restrições a certas atividades económicas, nomeadamente os horários limitados dos restaurantes, bares e das discotecas.

O Observador escreve que a ideia é manter tudo como está, ou seja: as lojas têm de fechar até às 20h00, os restaurantes até à 1h00, os bares e discotecas só podem operar até às 20h00 num regime igual ao dos cafés e pastelarias. Sem música para dançar, claro.

Em Lisboa, continuará a ser proibido o consumo de bebidas alcoólicas na rua e os ajuntamentos limitados a um máximo de dez pessoas.

O jornal digital diz que desta vez o governo nem sequer reuniu os autarcas da AML porque nada do que foi decidido no final de julho se vai alterar. A situação será reavaliada no final deste mês, quando os 15 dias desta prorrogação do estado de contingência em Lisboa (e de alerta no resto do País) estiverem a terminar.

Ou seja, área da Grande Lisboa fica em contingência, um nível pior do que o resto do país, que também continuará em estado de alerta por mais 15 dias.

Os cinco municípios problemáticos por causa da progressão da covid-19 são Lisboa, Odivelas, Sintra, Amadora e Loures.

Como referido, continuam as restrições às atividades económicas, à venda de bebidas alcoólicas e aos ajuntamentos na região da Grande Lisboa como um todo e, de forma mais pesada, à circulação de cidadãos nas 19 freguesias da AML que inspiram mais cuidados ao governo.

Os concelhos em situação mais frágil do ponto de vista sanitária continuam a ser Amadora (6 freguesias) e Odivelas (4).

Aqui fica a lista completa das 19 freguesias em causa.

Lisboa: Santa Clara;

Loures: Camarate/Unhos/Apelação, Sacavém/Prior Velho;

Sintra: Agualva/Mira Sintra, Algueirão/Mem Martins, Cacém/ S. Marcos, Massamá/Monte Abraão, Queluz/Belas, Rio de Mouro;

Amadora: Alfragide, Águas Livres, Falagueira/Venda Nova, Encosta do Sol, Venteira, Mina de Água;

Odivelas: Odivelas, Pontinha/Famões, Póvoa de Santo Adrião/Olival Basto, Ramada/Caneças.

(atualizado às 21h30)

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Fotografia: Arquivo/ Global Imagens

Transações de casas caíram 35,25% em abril. Preços começam a abrandar

(João Silva/ Global Imagens)

Estrangeiros compraram menos casas em Portugal em 2019. Preço por imóvel subiu

dgs covid portugal coronavirus

Mais cinco mortos e 463 infetados por covid-19 em Portugal

Grande Lisboa continua em estado de contingência até final de agosto