Grécia

Grécia: Mecanismo Europeu de Estabilidade realça história de êxito nos resgates

Fotografia: DR
Fotografia: DR

O diretor do Mecanismo Europeu de Estabilidade congratulou-se com a recuperação da autonomia da Grécia, na saída do último programa de resgate.

O diretor do Mecanismo Europeu de Estabilidade (MEE), Klaus Regling, congratulou-se hoje com a recuperação da autonomia da Grécia, na saída do último programa de resgate, apontando que o país será “uma história de êxito”.

“Há algum tempo atrás nada faria crer que Portugal, Espanha, Irlanda e Chipre seriam histórias de êxito. Refiro-me sempre a estes países como as nossas quatro histórias de sucesso. Agora poderei incluir a Grécia neste grupo”, seguindo sempre as reformas acordadas, disse hoje Klaus Regling ao diário grego News247.

O responsável do Mecanismo Europeu lamentou o sofrimento que o povo grego suportou durante os anos do resgate, mas realçou os “resultados positivos” conseguidos pelo programa, como o crescimento da economia ou a redução do desemprego, nos últimos três anos.

Klaus Regling apontou a importância de a Grécia continuar as reformas realizadas e concretizar os compromissos firmados com as instituições credoras.

“Os interesses da Grécia, dos gregos e do Governo estão alinhados com os interesses do MEE: é do interesse mútuo que as reformas continuem, que a Grécia beneficie de um bom crescimento e que se crie emprego”, realçou.

À pergunta acerca da possibilidade de revogar a reforma das pensões — uma intenção do Governo grego com o argumento de que as restantes reformas adotadas são suficientes para atingir os seus objetivos financeiros, com base nos resultados de 2016 e 2017 –, o responsável europeu respondeu apontando a obrigatoriedade de cumprimento de todos os acordos alcançados antes do final do programa de resgate.

Acrescentou que o primeiro-ministro, Alexis Tsipras, não precisa do seu conselho porque “sabe o que fazer” quando a Grécia recuperar a sua soberania financeira.

Klaus Regling explicou ainda que a Grécia esteve com programas de resgate mais tempo do que outros países, pelo menos, por três razões: o seu ponto de partida era mais complicado devido ao défice orçamental e à significativa perda de competitividade, a fragilidade da administração e o tempo perdido com as decisões do ministro das Finanças Yanis Varoufakis, em 2015.

Na segunda-feira, a Grécia concretiza a saída do seu terceiro programa de assistência, numa data histórica para o país e para a zona euro, que vira a página sobre oito anos de resgates, deixando o euro de ter qualquer membro sob resgate.

Aquele foi o país europeu mais atingido pela crise económica e financeira, foi o primeiro e último a pedir assistência financeira — e o único “reincidente” –, e a conclusão do seu terceiro programa assinala o fim do ciclo de resgates a países do euro iniciado em 2010, e que abrangeu também Portugal (2011-2014), Irlanda, Espanha e Chipre.

O histórico da crise grega e da zona euro recua, pelo menos, a 2010, altura em que tem lugar a primeira cimeira extraordinária de líderes da UE para discutir o “problema grego”, à luz das revelações de que as autoridades gregas haviam ocultado os verdadeiros dados macroeconómicos do país e manipulado os números do défice público, que era afinal, na altura, de 12,5%, mais do dobro do valor anunciado.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Vista aérea da Praça dos Restauradores em Lisboa, Portugal, 24 Março de 2020. ANTÓNIO COTRIM/LUSA

A economia entrou em estado de quarentena

Lisboa, 10/05/2019 - Vida do Dinheiro (DN-TSF) - Isabel Furtado, presidente da Cotec e da TMG.
Isabel Furtado
(Gerardo Santos / Global Imagens)

Covid-19: “Medidas têm de ser estratégicas e não apenas imediatas e impulsivas”

Ursula  von der Leyen, presidente da Comissão Europeia. Fotografia: Kenzo Tribouillard/AFP

Comissão Europeia vai rever proposta de orçamento da UE

Grécia: Mecanismo Europeu de Estabilidade realça história de êxito nos resgates