Grécia. Passos assume autoria de medida que permitiu acordo

ng4437683

Os cinco meses de impasse nas negociações com o governo grego, terminaram esta manhã, com um acordo de princípio para um futuro resgate à Grécia. O acordo que desencadeia o processo que pode dar origem às negociações entre Atenas e a troika só foi possível, "curiosamente", porque Passos Coelho apresentou "a solução", que permitiu desenlace positivo.

“Curiosamente, a solução que acabou por desbloquear o último problema que estava em aberto, que era justamente a solução quanto à utilização do fundo, partiu de uma ideia que eu próprio sugeri”, afirmou o primeiro-ministro português no final da longa maratona negocial, que terminou ao fim de 22 horas, sendo 17 horas só para a cimeira da zona euro.

O primeiro.ministro refere-se ao fundo que vai ser criado, com execução previa de garantias imobiliárias, para atingir um montante de 50 mil milhões de euros. Estas garantias serão progressivamente privatizadas e parte das verbas serão utilizadas para amortizar dívida.

Foi uma das grandes controvérsias da noite de negociações, que Atenas só aceitou, quando surgiu a solução portuguesa.

“Até tivemos, por acaso, uma intervenção que ajudou a desbloquear o problema, na medida em que foi nossa a sugestão de que do valor dos 50 mil milhões de euros, 25 mil milhões pudesse ser utilizados para, de certa maneira, poder privatizar os bancos que estão agora a ser recapitalizados”, afirmou Passos Coelho.

“A formulação que foi aprovada foi a de reembolsar empréstimos. Claro, que eles só poderão ser reembolsados na medida em que os próprios activos dos bancos possam ser reprivatizados”, considerou o primeiro-ministro.

Passos Coelho considera necessário que hoje é preciso que o governo grego regresse a Atenas e fala aprovar na parlamento grande partes das medidas, transformando-as, ainda esta semana em leis nacionais. Desta forma demostrará apoio interno à proposta.

Só assim será possível alcançar uma confiança, no governo do Syriza, que ainda não existe nesta altura.

“Agora é importante saber se podemos contar ou não com alguém que queira realmente cumprir e comprometer-se com o acordo, ou se estamos apenas a encontrar mais um protesto, para que o jogo político vire, na primeiro oportunidade”, afirmou Passos Coelho, considerando que a postura “construtiva” da parte do de Alexis Tsipras, durante as negociações lhe permitia “congratular” o governo do Syriza.

“Quero também, pois claro, congratular [e] cumprimentar – como de resto o fiz, no final da reunião -, o primeiro-ministro grego, pelo facto de ter mostrado um espírito construtivo, para que o acordo pudesse ter sido alcançado”, admitiu Passos Coelho.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Fotografia: Orlando Almeida/Global Imagens

Turismo vale 16% da atividade económica portuguesa

Mário Centeno, ministro das Finanças. Fotografia: REUTERS/Rafael Marchante

Défice público cai 59% até ao final de outubro

Marco Schroeder

Marco Schroeder renuncia a cargo de CEO da Oi

Outros conteúdos GMG
Conteúdo Patrocinado
Conteúdo TUI
Grécia. Passos assume autoria de medida que permitiu acordo