Greve dos motoristas

Greve dos motoristas: serviços mínimos “aquém” do que foi pedido pelos patrões

O porta-voz da Antram, André Matias de Almeida. RODRIGO ANTUNES/LUSA
O porta-voz da Antram, André Matias de Almeida. RODRIGO ANTUNES/LUSA

O Governo decretou hoje serviços mínimos aos fins de semana e feriados para a greve dos motoristas de matérias perigosas.

Um “acordo teórico” entre motoristas e patrões ditou que a greve dos motoristas de matérias perigosas, que começa no próximo dia 07 e se estende até 22 de setembro, garanta o abastecimento de serviços de saúde, forças de segurança, bombeiros ou aeroportos durante os fins de semana.

A Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias (ANTRAM) tinha pedido mais.

“Estes serviços mínimos estão aquém dos pedidos pela Antram. Entendeu o Governo limitá-los, algo que a Antram evidentemente respeita”, declara ao Dinheiro Vivo o porta-voz da associação que reúne as empresas de transporte de mercadorias, André Matias de Almeida.

“Todavia, aquilo que temos sentido por parte dos trabalhadores é uma vontade de trabalhar e é o que acreditamos que irá acontecer. Acreditamos que os trabalhadores cumprirão os serviços mínimos se assim forem necessários”, acrescenta o responsável.

Em comunicado, o Ministério do Trabalho e da Segurança Social anunciou hoje que os serviços mínimos surgem após um “acordo teórico entre a Antram e o SNMMP”.

O início da greve está marcado para as 00h01 do próximo sábado, 07 de setembro. A paralisação decorre até às 23h59 do dia 22 de setembro.

Ficam abrangidos pelos serviços mínimos os hospitais e serviços de emergência médica, aeroportos, instalações militares, forças de segurança ou bombeiros.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro-ministro, António Costa, e o ministro das Finanças, Mário Centeno. Fotografia: PATRICIA DE MELO MOREIRA/AFP

Exportações e turismo afundam 9,6% e geram recessão de 2,3% no 1º trimestre

Cartões de crédito e débito. Fotografia: Global Imagens

Malparado: 10% das famílias com crédito está em incumprimento

Fotografia: José Sena Goulão/Lusa

Um quarto das empresas de alojamento e restauração está em incumprimento

Greve dos motoristas: serviços mínimos “aquém” do que foi pedido pelos patrões