Greve dos motoristas

Greve dos motoristas: serviços mínimos “aquém” do que foi pedido pelos patrões

O porta-voz da Antram, André Matias de Almeida. RODRIGO ANTUNES/LUSA
O porta-voz da Antram, André Matias de Almeida. RODRIGO ANTUNES/LUSA

O Governo decretou hoje serviços mínimos aos fins de semana e feriados para a greve dos motoristas de matérias perigosas.

Um “acordo teórico” entre motoristas e patrões ditou que a greve dos motoristas de matérias perigosas, que começa no próximo dia 07 e se estende até 22 de setembro, garanta o abastecimento de serviços de saúde, forças de segurança, bombeiros ou aeroportos durante os fins de semana.

A Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias (ANTRAM) tinha pedido mais.

“Estes serviços mínimos estão aquém dos pedidos pela Antram. Entendeu o Governo limitá-los, algo que a Antram evidentemente respeita”, declara ao Dinheiro Vivo o porta-voz da associação que reúne as empresas de transporte de mercadorias, André Matias de Almeida.

“Todavia, aquilo que temos sentido por parte dos trabalhadores é uma vontade de trabalhar e é o que acreditamos que irá acontecer. Acreditamos que os trabalhadores cumprirão os serviços mínimos se assim forem necessários”, acrescenta o responsável.

Em comunicado, o Ministério do Trabalho e da Segurança Social anunciou hoje que os serviços mínimos surgem após um “acordo teórico entre a Antram e o SNMMP”.

O início da greve está marcado para as 00h01 do próximo sábado, 07 de setembro. A paralisação decorre até às 23h59 do dia 22 de setembro.

Ficam abrangidos pelos serviços mínimos os hospitais e serviços de emergência médica, aeroportos, instalações militares, forças de segurança ou bombeiros.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
Greve dos motoristas: serviços mínimos “aquém” do que foi pedido pelos patrões