Imobiliário

Grupo brasileiro aposta em Lisboa. Palacete devoluto será prédio de seis andares

Foto: Incortel
Foto: Incortel

O investimento total no Camillo 25 será de seis milhões de euros. O edifício terá onze apartamentos

Em setembro de 2016, as férias de Romero Valença foram passadas em Lisboa. A “cidade em transformação” não mais lhe saiu da cabeça.

O diretor de desenvolvimento da Incortel regressou ao Brasil decidido a convencer Cecília Zon Rogério, presidente do grupo imobiliário brasileiro, a atravessar o Atlântico e aterrar em Lisboa. Dois anos depois, está prestes a arrancar com a primeira obra.

O projeto que marca a estreia da Incortel na capital portuguesa foi apresentado esta quinta-feira no Grémio Literário.

Chama-se Camillo 25, em homenagem a Camilo Castelo Branco, escritor que dá nome à rua onde fica situado o palacete devoluto do início do século XX que o grupo adquiriu. Dentro de 18 meses, no lugar do antigo Palacete Art Noveau, será inaugurado um prédio de seis andares.

PTC_Fachada noturna_low-min

Antes de adquirir o número 25 da rua Camilo Castelo Branco, os responsáveis da Incortel visitaram 90 imóveis, a maior parte em Lisboa mas também no Porto. Alguns ficaram pelo caminho porque outros se chegaram à frente primeiro. Outros, porque o preço não era o que estavam dispostos a pagar.

O investimento total no Camillo 25 será de seis milhões de euros. O edifício terá onze apartamentos, com preços que variam entre os 580 mil euros e 1,2 milhões de euros. As tipologias vão do T1 ao T2, incluindo dois duplex. O projeto vai implicar a construção de três caves para estacionamento.

Todos os apartamentos serão diferentes, resultado da parceria com cinco arquitetos. Os imóveis virão mobilados e decorados com base em temas como romance, poesia ou história.

“Não quero fazer mais do mesmo. Quero fazer algo com alma, diferenciador, que possa perpetuar o imóvel. Queríamos agregar a arte com a arquitetura”, explica Cecília Zon Rogério.

Daí nasceu a parceria com a artista brasileira Ana Paula Castro, que criou o conceito do “coração” de Camilo Castelo Branco, a imagem do projeto. A artista vai ainda assinar as obras de arte que vão integrar o edifício.

A venda dos apartamentos arranca esta sexta-feira pela mão da Remax Collection, mas uma apresentação do projeto no Brasil já deu origem a “três ou quatro reservas”.

A presidente da Incortel garante que este será “o primeiro de muitos” projetos do grupo em Portugal. Para já, têm dois em vista: um no centro histórico de Lisboa e outro na periferia, revela sem mais pormenores. O objetivo é arrancar com o segundo investimento no primeiro semestre de 2019.

A outra meta da empresa é abrir uma sede em Portugal até 2020.

A Incortel nasceu há 36 anos no Brasil onde detém mais de dois mil unidades hoteleiras e mil imóveis residenciais e comerciais.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Ministro das Finanças, Mário Centeno, na apresentação do Orçamento do Estado para 2019. 16 de outubro de 2018. REUTERS/Rafael Marchante

Bruxelas envia carta a Centeno a pedir o triplo do esforço orçamental

lisboa-pixabay-335208_960_720-754456de1d29a84aecbd094317d7633af4e579d5

Estrangeiros compraram mais de mil imóveis por mais de meio milhão de euros

João Galamba (secretário de estado da energia) , João Pedro Matos Fernandes (Ministro para transição energética) e António Mexia  (EDP) durante a cerimonia de assinatura de financiamento por parte do Banco Europeu de Investimento (BEI) da Windfloat Atlantic. Um projecto de aproveitamento do movimento eólico no mar ao largo de Viana do Castelo.
(Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Mexia diz que EDP volta a pagar a CESE se governo “cumprir a sua palavra”

Outros conteúdos GMG
Grupo brasileiro aposta em Lisboa. Palacete devoluto será prédio de seis andares