Guerra comercial

Guerra comercial entre China e Estados Unidos estará próxima do fim

trumpxi

Imprensa dos Estados Unidos avança que Donald Trump e Xi Jinping deverão assinar um acordo no final de março.

Depois de oito meses de barreiras ao comércio, China e Estados Unidos estarão à beira de assinar um acordo. A notícia foi avançada este domingo pelo jornal norte-americano The Wall Street Journal e pela agência Reuters. Os dois líderes mundiais deverão reunir-se a 27 de março na Florida para pôr um ponto final à guerra comercial.

Segundo a Reuters, que cita fontes próximas das negociações, os dois países estarão já numa fase avançada das conversas. Os Estados Unidos prometem recuar na imposição de tarifas no valor de 200 mil milhões de dólares aos bens chineses e a China também deverá ceder, eliminando as tarifas impostas em forma de retaliação, além de se comprometer com reformas estruturais na economia.

Desde o verão de 2018, os EUA já impuseram tarifas aos bens chineses no valor de 250 mil milhões de dólares. A China retaliou com taxas no valor de 110 mil milhões de dólares.

Os detalhes do acordo ainda não são conhecidos, nomeadamente em relação à exigência dos norte-americanos no que toca à proteção de propriedade intelectual, à transferência de tecnologia e à redução de subsídios pagos pelo Estado à indústria chinesa. A China, por sua vez, deverá tomar medidas no sentido reduzir as tarifas no setor automóvel e aumentar as importações de produtos agrícolas e gás natural aos EUA.

Na semana passada Donald Trump adiou o aumento das tarifas impostas aos bens chineses, previsto para 1 de março, que deveria aumentar as taxas de 10% para 25%.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Caixa Geral Depósitos CGD Juros depósitos

Caixa perdeu 1300 milhões com créditos de grandes devedores

Ursula von der Leyen foi o nome nomeado para presidir à Comissão Europeia. (REUTERS/Francois Lenoir)

Parlamento Europeu aprova Von der Leyen na presidência da Comissão

Christine Lagarde, diretora-geral demissionária do FMI. Fotografia: EPA/FACUNDO ARRIZABALAGA

Christine Lagarde demite-se da liderança do FMI

Outros conteúdos GMG
Guerra comercial entre China e Estados Unidos estará próxima do fim