salário mínimo

Há 670 mil trabalhadores a ganhar o salário mínimo

Reunião da Comissão Permanente de Concertação Social. Fotografia: MIGUEL A. LOPES/LUSA
Reunião da Comissão Permanente de Concertação Social. Fotografia: MIGUEL A. LOPES/LUSA

No final de 2017, um em cada cinco trabalhadores por conta de outrem recebia o salário mínimo nacional (SMN).

O salário mínimo nacional aumentou em 2017 para os 557 euros e era este o valor pago em dezembro a 670 mil trabalhadores. Ou seja, eram 20,4% os trabalhadores por conta de outrem que tinham esta remuneração segundo indica o novo relatório de acompanhamento da retribuição mínima mensal garantida (RMMG), que o ministro Vieira da silva apresentou esta sexta-feira aos parceiros sociais.

Estes 670 mil representam um aumento de 9% (mais 55,5 mil pessoas) face a dezembro de 2016, quando o SMN era de 530 euros, mas refletem uma redução de 6,6% face a janeiro de 2017 – quando o SMN já tinha sido fixado nos 557 euros.

Entre dezembro e janeiro de 2015, registou-se uma subida de 2,9% no universo de trabalhadores a ganhar o salário mínimo nacional, enquanto em 2016 a tendência foi de queda (-0,8%), mas menos acentuada do que os -6,6% observados entre o primeiro e o último mês do ano passado.

Esta evolução indicia uma redução do impacto da atualização ao salário mínimo no que diz respeito à proporção dos trabalhadores abrangidos. “Em 2017, a evolução da proporção de trabalhadores abrangidos pela RMMG ao longo do ano foi de redução quase contínua (-2,4 pontos percentuais de janeiro a dezembro) contrastando com as trajetórias observadas em 2016 e em anos anteriores, tendência que não será alheia ao facto de, ao longo de 2017, quer o emprego, quer as remunerações terem crescido de modo progressivo ao longo do ano”, assinala o relatório.

Em 2016 a remuneração média mensal registada no conjunto dos trabalhadores por conta de outrem foi de 924,94 euros.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O ministro das Finanças, Mário Centeno, intervém durante a  conferência "Para onde vai a Europa?", na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, 22 de março de 2019. MÁRIO CRUZ/LUSA

Próximo governo vai carregar mais 8 mil milhões em dívida face ao previsto

O ministro das Finanças, Mário Centeno, intervém durante a  conferência "Para onde vai a Europa?", na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, 22 de março de 2019. MÁRIO CRUZ/LUSA

Próximo governo vai carregar mais 8 mil milhões em dívida face ao previsto

Motoristas de matérias perigosas em greve concentrados na Companhia Logística de Combustiveis - CLC.
Fotografia: Paulo Spranger / Global Imagens

Combustíveis. Sindicato conseguiu mais 200 sócios com greve

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Há 670 mil trabalhadores a ganhar o salário mínimo