Há mais 2 mil exportadoras

ng3092310

Com o motor da economia a abrandar,
quisemos saber como se exporta e para onde. Em 2012 as empresas
portuguesas venderam para fora do país bens no valor de 45 358,9
milhões de euros, um aumento de 5,8% face ao ano anterior. Mas em
termos do produto interno bruto nacional, este montante corresponde a
apenas cerca de 27% do PIB, bem longe ainda da meta dos 50% definida
pelo ministro da Economia, Álvaro Santos Pereira. Isto apesar de,
nos últimos dois anos, e de acordo com os dados do INE, o número de
empresas exportadoras ter aumentado em cerca de duas mil, para um
total de 21 mil.Isto sem ter em conta os empresários em nome
individual, cujo apuramento o INE não inclui na divulgação “por
questões de segredo estatístico”.

Espanha, Alemanha e França continuam a
ser o ‘top 3’ no destino nas exportações nacionais, assegurando
46,6% do total, no valor de 21 117 milhões de euros. Mas Angola
surge já na quarta posição, sendo responsável por 2 998 milhões,
os EUA em sétimo lugar, com 1 865 milhões e a China em décimo com
779 milhões de euros. E se é verdade que 32 217 milhões de euros
das nossas exportações se destinaram aos países europeus, não é
menos certo que os mercados extracomunitários continuam a reforçar
o seu peso, tendo contribuído com 13 129 milhões, um aumento de
19,8% face a 2011.

As exportações para a China quase que
duplicaram em 2012 (mais 96,2%), graças, essencialmente, aos
acréscimos registados nos veículos e outro material de transporte,
destaca o INE. Este país representa já 1,7% das exportações
nacionais. Já Angola reforçou o seu papel e assegura 6,6% das
vendas externas portuguesas. Os EUA representam 4,1%.

Depois dos avanços a dois dígitos do
comércio externo em 2010 e 2011, com respetivamente mais 17,6% e
15%, os números modestos de 2012 deixam alguma inquietação. João
Duque, presidente do ISEG, explica o abrandamento das exportações
portuguesas com as dificuldades dos mercados europeus, mas também
com o “processo de corrosão” que sofrem nos mercados não
europeus, por via do “fortalecimento do euro face a outras moedas”,
salientando que o país sofre do facto de não haver “uma política
cambial mais afável para as empresas exportadoras”.

Mas João Duque admite, também, que se
assista já a um certo “esgotamento da capacidade instalada em
termos de produtos e serviços” E dá o exemplo da restauração e
da sua crise, mas que torna difícil ‘redirigir’ essa oferta para o
exterior.

Há outros cenários que o economista
não descarta, designadamente o de haver empresas exportadoras que
tenham crescido bastante mas estejam, ainda, a observar o que se
passa ou, em alternativa, que haja dificuldade das entidades
bancárias em dar resposta às necessidades de capital para
investimento e crescimento das empresas.

E como vai o motor da economia ganhar
força e conquistar a velocidade cruzeiro? Essa é uma pergunta para
a qual João Duque não parece ter resposta. “Isso é muito
difícil. É preciso timoneiros e está tudo muito desanimado. Ainda
vamos continuar assim por mais algum tempo”, vaticina.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Angel Gurría, secretário-geral da OCDE, e Pedro Siza Vieira, ministro da Economia. Fotografia: Diana Quintela/ Global Imagens

Fosso entre custo das casas e rendimento tem maior agravamento da OCDE

Angel Gurría, secretário-geral da OCDE, e Pedro Siza Vieira, ministro da Economia. Fotografia: Diana Quintela/ Global Imagens

Fosso entre custo das casas e rendimento tem maior agravamento da OCDE

JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

Eleições europeias: 11,56% dos eleitores votaram até ao meio-dia

Outros conteúdos GMG
Há mais 2 mil exportadoras