Há mais casais no desemprego do que há um ano

Em julho contavam-se 10.521 casais com ambos os elementos no desemprego. A situação é mais favorável do que em junho, mas pior do que um anos antes.

Julho é o quarto mês consecutivo em que o Instituto do Emprego e Formação Profissional regista uma descida mensal consecutivo de casos de casais em que ambos os elementos se encontram no desemprego. Mas a comparação homóloga revela um retrato diferente e desde março que o sentido tem sido de subida.

O número destas situações - que justificam um tratamento estatístico separado pela fragilidade social que lhes está inerente - atingiu um valor máximo de 12.333 casais em março deste ano e tem observado ligeiras quedas mensais daí em diante.

Leia mais: Desemprego em julho bate mínimos de 2009

O ano de 2013 foi aquele em que os serviços reportaram o maior número de casais com ambos os cônjuges no desemprego, sendo que nessa altura já estava a ser atribuída uma majoração de 10% no valor do subsídio que lhes é pago.

Esta majoração continua a ser atribuída, mas é de renovação anual, ou seja, tem sido prevista através do Orçamento do Estado. Este acréscimo de 10% compensa o corte equivalente no subsídio que é feito aos desempregados após os primeiros seis meses sem trabalho.

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de