Connecting África

Há oportunidades na energia em África

Lisboa, 11/06/2019 - Conferência Connecting Africa, no Museu da Electricidade, em Lisboa.
(Carlos Costa/Global Imagens)
Lisboa, 11/06/2019 - Conferência Connecting Africa, no Museu da Electricidade, em Lisboa. (Carlos Costa/Global Imagens)

Paulo Portas foi um dos convidados do cocktail Connecting África que decorreu nesta terça-feira no Museu da Eletricidade em Lisboa.

A moderar o debate esteve Tony Tiyou, jornalista da BBC, que orientou as várias intervenções em torno das oportunidades de investimento no setor da energia em África, considerado um dos setores mais estruturantes para o desenvolvimento da economia daquele continente.

Além do antigo líder do CDS e ex-vice primeiro-ministro, deixaram os seus pontos de vista Paulo Gomes, ex-diretor do Banco Mundial; Ricardo Machado, fundador e CEO da Aenergy, empresa de soluções de energia e de transportes que nasceu em 2012, em Angola; Oliver Andrews, diretor executivo e chief Investment Officer (CIO) da Africa Finance Corporation; Ibrahim Sagna, diretor do banco africano de export-Import, Afreximbank; Koffi Klousech, da Africa 50, uma plataforma de investimento em infraestruturas com projetos principalmente em África; e Daniel Santos, presidente do Banco Millennium Atlântico, instituição que resultou da fusão em 2016 entre o Banco Privado Atlântico e o Banco Millennium Angola, e que tem vindo a financiar projetos na energia em Angola.

Um deles foi a construção da Barragem de Laúca, uma central hidroelétrica localizada no rio Cuanza, entre as províncias de Malanje e do Cuanza Sul. A obra arrancou em 2012 e pelas contas será a maior barragem de Angola quando estiver em pleno funcionamento.

O Banco Millenium Atlântico, em parceria com a Aenergy e outros operadores internacionais, está a promover novas formas de financiamento a projetos relevantes no sector energético em Angola. “O banco tem vindo a mobilizar um conjunto de investidores com o intuito de os incentivar a investir no sector energético em Angola”, comenta Daniel Santos, CEO do Atlântico.

O evento decorreu no mesmo dia em que arrancou a 21ª edição do Africa Energy Forum (termina a 14 de junho) e juntou empresas, investidores e especialistas em energia. No futuro próximo, esperam-se interessados em agarrar as oportunidades africanas, em especial angolanas. Esta foi uma forma de apelar às manifestações de interesse no investimento no setor energético em África por parte de privados.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
EPA/MICHAEL REYNOLDS

Ação climática. Portugal vai ter de gastar mais de um bilião de euros

EPA/MICHAEL REYNOLDS

Ação climática. Portugal vai ter de gastar mais de um bilião de euros

2. Fazer pagamentos à frente do empregado

Consumo: seis em cada 10 portugueses paga as compras a prestações

Outros conteúdos GMG
Há oportunidades na energia em África