Coronavírus

“Há que fazer tudo: É a primeira vez que fechamos em 11 anos”

O chef Ljubomir Stanisic no 100 Maneiras.
(Sara Matos / Global Imagens)
O chef Ljubomir Stanisic no 100 Maneiras. (Sara Matos / Global Imagens)

Restaurantes 100 Maneiras fecham portas e deixam mensagem para ajudar a conter o Covid-19.

“Apesar de, no momento em que tomamos esta decisão, não haver nenhuma indicação do governo para o encerramento de restaurantes, o 100 Maneiras e o Bistro 100 Maneiras estarão fechados a partir de amanhã, dia 15, sem data prevista para reabertura.”

Assim começa a mensagem que o grupo de restauração do chef Ljubomir Stanisic enviou aos seus clientes neste sábado, anunciando que vai fechar portas para ajudar a conter o Covid-19, que neste momento infeta 169 pessoas em Portugal.

Leia também: Cancelamentos, prejuízos e empregos em risco. O turismo em tempos de epidemia

“Há 11 anos em Lisboa, esta é a primeira vez que fechamos as portas em vez de as abrir… É uma decisão difícil mas inequívoca: não podemos, em boa consciência, continuar abertos. Sentimos que temos de fazer tudo ao nosso alcance para proteger as famílias – as nossas, as da nossa equipa, as dos nossos clientes – e o mundo”, escreve a equipa. Que não pedem apoios mas antes alertam as pessoas para não terem comportamentos de risco.

“É uma decisão que tomamos sozinhos, sem apoios, sem ajudas, sem rede, com a noção de que o golpe financeiro que sofreremos poderá levar muito tempo a sarar. É uma decisão que tomamos com o coração apertado mas leve por sabermos que estamos a fazer o certo, que neste momento não existe nenhuma outra solução. Agimos antes que seja tarde demais. Esperamos que as ajudas oficiais cheguem, também, antes que seja demasiado tarde. Queremos continuar a alimentar as mais de 80 famílias que dependem do 100 Maneiras. Temos uma responsabilidade enorme para com elas e é por elas, também, que tomamos esta decisão: de os enviar para casa, para junto dos seus, para que, todos unidos, possamos conter este novo vírus e recuperar as nossas vidas.”

Para garantir que os alimentos em stock não se estragam, Ljubomir Stanisic tomou ainda a decisão de os distribuir pelas equipas, “para que nesta altura de açambarcamento de produtos essenciais tenham menos uma preocupação e possam cuidar melhor de si”.

Pedindo aos seus clientes que se mantenham a salvo, “fiquem em casa, sejam responsáveis, generosos e solidários”, o grupo adianta que os seus vouchers continuarão disponíveis para compra, por telefone, email ou online, “com um crédito extra de 15% sobre o valor registado, para que possam ser usados, mais tarde, quando a normalidade regressar”. E promete partilhar nas redes sociais novos conteúdos como receitas caseiras feitas pelos chefes de cozinha e de bar do 100 Maneiras a partir das suas casas.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
António Costa e Silva, responsável pelo plano para a economia nacional nos próximos dez anos.
(Leonardo Negrão / Global Imagens)

Plano de Costa Silva. As bases estão lá, falta garantir boa execução

Filipe Santos, dean da Católica Lisbon Business and Economics ( Pedro Rocha / Global Imagens )

Filipe Santos: Risco de austeridade? “Depende de como evoluir a economia”

Filipe Santos, dean da Católica Lisbon Business and Economics ( Pedro Rocha / Global Imagens )Filipe Santos
( Pedro Rocha / Global Imagens )

Filipe Santos: Há um conjunto de empreendedores que vai continuar

“Há que fazer tudo: É a primeira vez que fechamos em 11 anos”