Empresas

High Bridge reduz participação na Pharol para 4,88%

Luís Palha da Silva, presidente do Conselho de Administração da Pharol
Luís Palha da Silva, presidente do Conselho de Administração da Pharol

A High Bridge, sociedade que se encontra em situação de incumprimento com o BCP, reduziu a sua posição na Pharol de 9,99% para 4,88%.

A High Bridge Unipessoal, sociedade que se encontra em situação de incumprimento com o BCP, reduziu a sua posição na Pharol de 9,99% para 4,88%, segundo um comunicado enviado hoje à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

A comunicação foi efetuada pelo BCP, com a justificação de que se trata de uma “redução de imputação de direitos de voto na qualidade de credor beneficiário de penhores financeiros” devido à “alienação de ações”.

No dia 12 de agosto, o BCP comunicou ao mercado que passou a deter 9,99% dos direitos de voto da Pharol após ter acionado a garantia financeira associada a um financiamento concedido à High Bridge.

Num comunicado enviado à CMVM, a Pharol (ex-Portugal Telecom) informou ter recebido do BCP a notificação de participação qualificada referente a 9,99% dos direitos de voto da empresa, com efeitos desde 30 de julho passado.

Segundo o BCP, esta imputação de direitos de voto inerentes “resulta dos termos e condições de penhores financeiros que incidem sobre ações (as quais continuam a ser detidas pelo respetivo titular) e que presentemente permitem ao Banco Comercial Português, S.A. vir a apropriar-se das ações ou exercer os respetivos direitos de voto”.

Em causa num financiamento concedido pelo BCP à High Bridge tendo como garantia financeira associada a participação no capital da Pharol.

Na sequência da entrada em incumprimento por parte da High Bridge, o banco liderado por Miguel Maya acionou a garantia, tendo por isso passado a ser imputados ao banco os direitos de voto associados às ações em causa (que continuam, contudo, a ser detidas pela High Bridge).

Também em 12 de agosto, o BCP disse que não tinha intenção de deter ações da Pharol e que “o natural” seria vender a posição.

“O Millennium bcp não tem intenção de deter ações da Pharol e, tendo direitos sobre as mesmas, o natural é vender”, disse fonte oficial do banco liderado por Miguel Maya à Lusa.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro ministro, António Costa, fala aos jornalistas durante a conferência de imprensa realizada no final da reunião do Conselho de Ministros, no Palácio da Ajuda, em Lisboa, 04 de junho de 2020. MANUEL DE ALMEIDA / POOL/LUSA

Governo vê economia a crescer 4,3% em 2021 e desemprego nos 8,7%

A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho, durante a conferência de imprensa após a reunião extraordinária da Comissão Permanente de Concertação Social por video-chamada, no Ministério da Economia, em Lisboa, 16 de março de 2020. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Segunda fase do lay-off custa mais de 700 milhões de euros

Jorge Rocha de Matos, presidente da Fundação AIP. Foto: direitos reservados

Rocha de Matos: IVA devia ser de 6% em todos os eventos para ajudar o turismo

High Bridge reduz participação na Pharol para 4,88%