Opinião

Histórico

Donald Trump recebe uma bola de Vlamidir Putin, no encontro de Helsínquia, 16 de julho de  2018. Fotografia: REUTERS/Grigory Dukor
Donald Trump recebe uma bola de Vlamidir Putin, no encontro de Helsínquia, 16 de julho de 2018. Fotografia: REUTERS/Grigory Dukor

Numa altura em que parece escalar o clima de tensão entre as várias potências económicas mundiais, foi histórico o encontro de Helsínquia entre Donald Trump e Vladimir Putin.

Quando parecem proliferar os temas particularmente fraturantes todos precisam, nesta altura, de recordar o passado e aprender com as lições da história. Os sinais são contraditórios, mas certo é que viver num clima de instabilidade permanente nunca é um bom sinal.

No plano estritamente económico, todos os sinais apontam para uma nova vaga protecionista. O protecionismo é, por definição, a antítese do progresso, do desenvolvimento e da modernidade. Reduz o consumo, o investimento e as oportunidades de emprego, limitando consequentemente a competitividade e o crescimento das empresas. O protecionismo é tacanho.

Sempre defendemos, na APICCAPS, um comércio livre, justo e equilibrado. Foi com base nesse pressuposto que, recentemente, por ocasião da realização do maior Congresso Mundial de Calçado – que se realizou no Porto e que contou com a presença de mais de 500 profissionais de todo o mundo – os representantes das associações internacionais de calçado e as câmaras da indústria dos cinco continentes assinaram uma declaração conjunta de apoio ao livre comércio.

Para a APICCAPS, tendo em linha de conta que a indústria portuguesa de calçado exporta 95% da sua produção, para 152 países, nos cinco continentes, importa combater todas as práticas que distorcem a concorrência e colocam em risco os equilíbrios internacionais.

Porque acreditamos que o progresso coletivo se constrói, criando pontes e gerando oportunidades, este ano, o setor do calçado inicia a maior abordagem de sempre ao mercado norte-americano. Não o faremos sozinhos, connosco estarão dois setores muito relevantes na nossa economia, com que muito nos identificamos: a ourivesaria e o vestuário. Também dentro de portas, e quando em causa está a imagem coletiva de Portugal, sempre entendemos que a criação de parcerias estratégicas e de consensos é essencial para conquistar novos públicos e ascender a novos patamares de excelência.

Presidente da Ass. Por. Industriais do Calçado APICCAPS

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Caixa Geral de Dep—ositos -

Sete dos créditos de risco da CGD tiveram perdas de 100%

Operadores da Groundforce onde a operação da empresa de ‘handling’ Groundforce inclui números como cinco minutos e 400 toneladas, mas também o objetivo de chegar ao fim de 2019 com 3.600 colaboradores, aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, 22 de janeiro de 2018. Para que os aviões estejam no ar, a Groundforce faz toda a assistência em terra, excetuando o fornecimento de comida e de combustível, como resume o presidente executivo da empresa, Paulo Neto Leite, numa visita guiada aos ‘bastidores’ do Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa. MÁRIO CRUZ/LUSA

Com o aeroporto de Lisboa “no limite”, Groundforce exige à ANA que invista já

(Rui Oliveira / Global Imagens)

Quota de mercado dos carros a gasóleo cai para mínimos de 2003

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Histórico