Dívida

Horta Osório: “não devemos ser complacentes” com a dívida pública

Horta Osório - AICEP

O banqueiro diz que Portugal está a ir na direção certa mas precisa baixar mais o nível de dívida pública.

António Horta Osório, presidente executivo do Lloyds Bank, elogiou esta sexta-feira a melhoria registada nas contas públicas em Portugal e na dívida mas frisou que o nível de endividamento do país ainda é “exageradamente alto”.

“A dívida (pública) está neste momento em cerca de 120% (do Produto Interno Bruto) e está a ir na boa direção mas não devemos ser complacentes porque é um nível exageradamente alto”, afirmou Horta Osório, na conferência da AICEP sobre Exportações e Investimento, que decorre hoje no novo Campus da NOVA SBE.

O nível de endividamento do país é, para o banqueiro, um dos grandes desafios que o país enfrenta, já que a dívida da economia está “10% mais alta do que era há 10 anos”, na casa dos 293% do Produto Interno Bruto. A dívida pública aumentou enquanto a das famílias e das empresas desceu. O nível de endividamento da economia portuguesa é 20% mais elevado do que o de Itália e de Espanha, alertou.

O banqueiro frisou que é positivo que o défice orçamental esteja a caminhar para zero mas considera que, em termos de crescimento económico, Portugal pode ter mais ambição.

Em atualização

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Biedronka

Polónia multa Jerónimo Martins em 26 milhões por práticas enganadoras nos preços

António Ramalho, CEO do Novo Banco. Fotografia: Tiago Petinga/Lusa

Novo Banco vendeu seguradora com desconto de 70% ‘coberto’ pela ajuda do Estado

Fotografia: D.R.

Novo Banco. GNB teve idoneidade verificada pelo regulador

Horta Osório: “não devemos ser complacentes” com a dívida pública