Dívida

Horta Osório: “não devemos ser complacentes” com a dívida pública

Horta Osório - AICEP

O banqueiro diz que Portugal está a ir na direção certa mas precisa baixar mais o nível de dívida pública.

António Horta Osório, presidente executivo do Lloyds Bank, elogiou esta sexta-feira a melhoria registada nas contas públicas em Portugal e na dívida mas frisou que o nível de endividamento do país ainda é “exageradamente alto”.

“A dívida (pública) está neste momento em cerca de 120% (do Produto Interno Bruto) e está a ir na boa direção mas não devemos ser complacentes porque é um nível exageradamente alto”, afirmou Horta Osório, na conferência da AICEP sobre Exportações e Investimento, que decorre hoje no novo Campus da NOVA SBE.

O nível de endividamento do país é, para o banqueiro, um dos grandes desafios que o país enfrenta, já que a dívida da economia está “10% mais alta do que era há 10 anos”, na casa dos 293% do Produto Interno Bruto. A dívida pública aumentou enquanto a das famílias e das empresas desceu. O nível de endividamento da economia portuguesa é 20% mais elevado do que o de Itália e de Espanha, alertou.

O banqueiro frisou que é positivo que o défice orçamental esteja a caminhar para zero mas considera que, em termos de crescimento económico, Portugal pode ter mais ambição.

Em atualização

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
TimVieira_1-1024x683

“Fui quem mais investiu e mais perdeu no Shark Tank. E também quem ganhou mais”

João Lourenço, Presidente de Angola. Fotografia: ESTELA SILVA/LUSA

Dívida externa angolana financiou “enriquecimento ilícito de uma elite”

Lisboa, 12/06/2019 - Mariana Vieira da Silva, ministra da Presidência e da Modernização Administrativa, fotografada esta tarde nos estúdios da TSF, durante uma entrevista 'A Vida do Dinheiro'  TSF/Dinheiro Vivo.
( Gustavo Bom / Global Imagens )

Mariana Vieira da Silva: Repetir a geringonça “é possível e desejável”

Outros conteúdos GMG
Horta Osório: “não devemos ser complacentes” com a dívida pública