Coronavírus

Hospital da Cruz Vermelha totalmente dedicado ao Covid-19

coronavírus covid-19 hospital santa maria
Três tendas cedidas pela Cruz Vermelha Portuguesa junto ao serviço de urgência do Hospital de Santa Maria para isolar casos suspeitos de infeção pelo Covid-19. MIGUEL A. LOPES/LUSA

Cruz Vermelha está já ao serviço do Estado para reforçar a rede de saúde e ajudar a combater o novo coronavírus.

Atenta às necessidades crescentes no combate ao novo coronavírus, a Cruz Vermelha tem estado desde o primeiro momento envolvida na resposta e procura de soluções, tendo inclusivamente montado três tendas nas urgências do Hospital de Santa Maria já na semana passada. Agora, decidiu pôr todos os seus serviços e meios à disposição do SNS.

“A Cruz Vermelha Portuguesa informa que, face à necessidade de recursos nos Serviços de Saúde definidos para o Covid-19, o Hospital da Cruz Vermelha passa a partir de hoje a funcionar ao serviço de Estado, no combate ao surto do novo coronavírus integrado na rede COVID”, comunicou a instituição.

A Coordenação Nacional de Emergência da Cruz Vermelha está já a iniciar o plano de formação aos técnicos do Hospital quanto a procedimentos e proteção individual, preparando-os assim para a entrada em funcionamento desta nova resposta.

“Até ao momento, a Cruz Vermelha Portuguesa já realizou 170 transportes de doentes suspeitos de Covid-19, distribuídos pelas 11 ambulâncias que tem dedicadas para o efeito; montou a unidade modular no Hospital de Santa Maria para contenção dos doentes suspeitos; formou cerca de 700 técnicos de emergência pré-hospitalar em toda a rede da CVP”, explica-se ainda, justificando estas iniciativas de reestruturação conjuntural com a urgência da desejável articulação entre o Estado (SNS) e privados. Juntando-se ao SNS, a Cruz Vermelha Portuguesa contribuirá assim para aumentar a capacidade de resposta à pandemia.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
coronavirus turismo turistas

ISEG. Recessão em Portugal pode chegar a 8% este ano

A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho. JOÃO RELVAS/LUSA

Pedidos de lay-off apresentados por 33.366 empresas

coronavirus lay-off trabalho emprego desemprego

Rendimento básico incondicional? “Esperamos não ter de chegar a esse ponto”

Hospital da Cruz Vermelha totalmente dedicado ao Covid-19