Hotelaria

Hotéis de Lisboa voltaram a subir preços em agosto

Hotel Pestana Palace, em Lisboa.
Hotel Pestana Palace, em Lisboa.

Hotéis de cinco estrelas lideram aumento dos preços em Lisboa. Já a taxa de ocupação continua a apresentar quebras na região.

2018 tem sido um ano de altos e baixos para a hotelaria nacional. Os hotéis em Lisboa apresentaram, no passado mês de agosto e em comparação com o mesmo período do ano passado, aumentos nos preços médios por quarto vendido (Average) e quarto disponível (RevPAR). Estes dados foram avançados pelo Observatório do Turismo de Lisboa, nesta quarta-feira, e indicam que, apesar desta evolução nos preços, a taxa de ocupação desceu ligeiramente para 86,77%.

Os crescimentos foram particularmente expressivos nos estabelecimentos hoteleiros de cinco estrelas. O preço por quarto vendido fixou-se nos 182,09 euros, o que corresponde a um acréscimo de 14,5%.

A segunda maior subida ocorreu nas unidades de três estrelas, cujo crescimento foi de 12,5%, para os 84,68 euros. Nos hotéis de quatro estrelas o preço médio fixou-se nos 92,87 euros, uma evolução de 7,6%.

Quanto ao RevPAR, registaram os maiores aumentos nos hotéis de três e de cinco estrelas, 11,8% e 10,2%, respetivamente. Nas unidades hoteleiras de quatro estrelas, o preço subiu na ordem dos 5,3%.

Em linha com o país, a taxa de ocupação desceu 2,3% em relação ao período homólogo. Por categorias, os hotéis de três e de quatro estrelas foram os preferidos dos turistas (90%), seguidos dos de cinco (73,61%).

Também na hotelaria da Área Metropolitana de Lisboa, segundo o Observatório do Turismo de Lisboa, houve um aumento de 9,3 no Average e de 6,6 no RevPAR.

Foram os hotéis de cinco estrelas que registaram maior crescimento no preço médio por quarto vendido (10,7%), fixando-se nos 196,35 euros.

Os de três estrelas revelaram uma variação de 8,6%, ultrapassando os 85 euros, e os de quatro estrelas subiram 7,7%, para 96,31 euros.

Já o RevPAR, foi de 77,99 euros nas unidades hoteleiras de 3 estrelas (+7,4%), de 87,50 euros nas de quatro estrelas (+5,2%) e de 147,11 euros nas de cinco estrelas (+6,6%).

Verifica-se, no entanto, uma quebra na taxa de ocupação em todas as categorias, para 86,72%, uma descida de 2,5% face a agosto de 2017.

As unidades de três e de quatro estrelas mantiveram-se acima dos 90%, enquanto as de cinco estrelas não ultrapassaram os 75%.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Mário Vaz, CEO da Vodafone Portugal  Fotografia: Orlando Almeida / Global Imagens

Mário Vaz. “Havendo frequências, em julho teríamos cidades 5G”

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa (C), durante a cerimónia militar do Instituto Pupilos do Exército (IPE), inserido nas comemorações do 108.º aniversário da instituição, em Lisboa, 23 de maio de 2019.  ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

Marcelo: “Quem não for votar, depois não venha dizer que se arrepende”

Certificados

Famílias investiram uma média de 3,3 milhões por dia em certificados este ano

Outros conteúdos GMG
Hotéis de Lisboa voltaram a subir preços em agosto