Energia

Iberdrola aumenta lucros 20,4% para 2,5 mil milhões de euros até setembro

Córcoles Galán y Sáinz

Entre janeiro e setembro, a Iberdrola investiu 4.727 milhões de euros, mais 30% do que nos primeiros nove meses de 2018.

Em comunicado, a Iberdrola informou que obteve um lucro líquido de 2.517 milhões de euros nos primeiros nove meses do ano, até setembro, o que representa um aumento de 20,4%, em relação ao período homólogo do ano anterior. Essa evolução positiva, refere a elétrica espanhola, deveu-se, em grande parte, aos investimentos realizados pelo grupo entre janeiro e setembro: 4.727 milhões de euros, mais 30% do que nos primeiros nove meses de 2018.

“Os bons resultados permitem à Iberdrola reafirmar a sua previsão de crescimento do lucro líquido na ordem dos dois dígitos” em 2019, disse a empresa em comunicado

O presidente do grupo, Ignacio Galán, destacou nos resultados “a aceleração dos investimentos, o cumprimento dos objetivos de eficiência já alcançado e a rotatividade de ativos para 2022”. “Estes lucros aumentam a nossa margem para novos investimentos, gerando um círculo auspicioso de crescimento e solidez financeira”, acrescentou Ignacio Galán.

Deste total de 4.727 milhões de euros investidos – o maior valor da história do grupo num período de nove meses – quase 90% foram destinados aos negócios de Redes e Renováveis. Cerca da metade destes investimentos (2.221,7 milhões de euros) foi direcionada para uma nova capacidade renovável, com um aumento de 81% face ao mesmo período em 2018, o que permitirá, antes do previsto, cumprir o objetivo de instalar 13.000 novos MW entre 2018 e 2022.
A Iberdrola prevê fechar 2019 com 5.218 novos MW instalados, o que pressupõe o aumento da sua potência em 11%.

Quanto ao lucro bruto de exploração, o Ebitda alcançou os 7499 milhões de euros até setembro, um crescimento de 11%, devido ao desempenho de Redes e Geração, que compensaram a má evolução das energias renováveis, resultante da menor produção hidroelétrica na Espanha. A área de Renováveis registou um Ebitda de 1.678,3 milhões de euros, uma queda de 4,5% em relação aos primeiros nove meses do ano anterior. A Iberdrola destaca as contribuições do Reino Unido, a começar pela contribuição do parque eólico offshore East Anglia One; e do México, que aumentou sua produção renovável em 53,5%. Na Iberdrola Energia Internacional1, o parque eólico marítimo alemão Wikinger aumentou a produção em 53%.

No que diz respeito à rotatividade de ativos, o grupo dá conta do cumprimentos, com três anos de antecedência, do seu compromisso de atingir os 3.500 milhões de euros para o período 2018-2022. À venda de uma participação minoritária na East Anglia One por 1700 milhões de euros, somaram-se os desinvestimentos em ativos de geração tradicionais no Reino Unido (700 milhões de euros) e em outros ativos não estratégicos, em Espanha e nos Estados Unidos da América.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
The World Economic Forum, Davos
Fabrice COFFRINI/AFP

Líderes rumam a Davos para debater a nova desordem mundial

Mário Centeno

Privados pedem ao Estado 1,4 mil milhões de euros em indemnizações

Luis Cabral, economista.
(Leonardo Negrão / Global Imagens)

Luís Cabral: “Pobreza já não é só ganhar 2 dólares/dia”

Iberdrola aumenta lucros 20,4% para 2,5 mil milhões de euros até setembro