Energia

Iberdrola não vai parar barragens no rio Tâmega. Autarcas querem embargo

Sistema Eletroprodutor do Tâmega, em Ribeira de Pena, Gouvães e Daivões.
Barragem e Central de Daivões.
(Miguel Pereira/Global Imagens)
Sistema Eletroprodutor do Tâmega, em Ribeira de Pena, Gouvães e Daivões. Barragem e Central de Daivões. (Miguel Pereira/Global Imagens)

A Iberdrola está a desenvolver o Sistema Eletroprodutor do Tâmega, um investimento de 1.500 milhões de euros, até 2023.

Depois da EDP e do ponto final colocado unilateralmente pelo governo à construção da polémica barragem do Fridão, agora é a Iberdrola que está na mira das contestações às três barragens que está a construir no Rio Tâmega. O anúncio em Lisboa, no Parlamento, de que o Complexo Hidroelétrico de Fridão não vai avançar, ao fim de uma década de impasses, causou ondas de choque a mais de 400 quilómetros.

A reação mais radical em toda a região foi a do presidente da Câmara de Celorico de Basto, Joaquim Mota e Silva, que afirmou que, perante o cancelamento da barragem de Fridão, “tudo fará” para “embargar” as três barragens a montante que estão a ser construídas pela Iberdrola, para evitar um “drama colossal” no rio Tâmega e no concelho.

Contactada pelo Dinheiro Vivo, a Iberdrola “afirma que se mantém, desde o início do projeto do Sistema Eletroprodutor do Tâmega, a cumprir todos os requisitos constantes da Declaração de Impacte Ambiental (DIA), do Relatório de Conformidade com o Projeto de Execução (RECAPE) e do contrato de concessão assinado com o Estado português a 30 de Junho de 2014”.

“De recordar que o Sistema Eletroprodutor do Tâmega – que inclui os Aproveitamentos Hidroelétricos de Alto Tâmega, Daivões e Gouvães – faz parte do Programa Nacional de Barragens de Elevado Potencial Hidroelétrico e, após a sua construção, aumentará em 6% a potência instalada em Portugal. A Iberdrola continua, por isso, comprometida com este projeto, o maior que tem em execução em Portugal. Neste momento, o Sistema Eletroprodutor do Tâmega está, na globalidade, próximo dos 50% da sua execução e já foi aplicado mais de 50% do investimento total previsto”, disse a elétrica em declarações ao Dinheiro Vivo. A Iberdrola está a levar a cabo um investimento de 1.500 milhões de euros, até 2023.

Da mesma forma, fonte oficial da Iberdrola tinha já confirmado ao Dinheiro Vivo que “não está a negociar a possibilidade de assumir a concessão do Complexo Hidroelétrico de Fridão”.

“Vamos lutar pelo embargo e cancelamento dessas três barragens”, revelou o autarca em declarações à Lusa, referindo-se às empreitadas em curso em Daivões, Gouvens e Alto Tâmega, incluídas no Sistema Eletroprodutor do Tâmega, concessionado à Iberdrola. O responsável sublinha que “não foi estudado o impacto ambiental da não construção da barragem de Fridão conjugada com a construção de outras três a montante”. “Os estudos de impacto ambiental foram feitos com a realidade da construção de quatro barragens. Num cenário em que a mais a jusante não é construída, temos um problema grave nesta zona do Tâmega”, alertou. O autarca esclareceu que, com a construção das outras três barragens, a zona do rio Tâmega do concelho de Celorico de Basto ficará, no verão, com “a água retida” naquelas infraestruturas e, “no inverno, cheias grandes”.

O Sistema Eletroprodutor do Tâmega é um dos maiores projetos hidroelétricos realizados na Europa nos últimos 25 anos, prevendo 1.500 milhões de euros de investimento e a criação de 13.500 empregos diretos e indireto durante o período de maior volume dos trabalhos (2018-2020).

“Há também questões de natureza ambiental, porque é preciso perceber como é que o rio Tâmega se vai comportar uma vez que estão a ser construídas barragens a montante”. “O rio Tâmega não é rio livre, já tem três barragens que estão a ser construídas a montante e é preciso perceber o comportamento do rio nos municípios a jusante, e não há nenhuma garantia neste momento, não conheço, de que o rio não vai sofrer consequências ao nível do caudal”, sublinhou o presidente da Câmara de Mondim de Basto Humberto Cerqueira.

Com Lusa

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Lisboa,  29/09/2020 - Ursula Von der Leyen, Presidente da Comissão Europeia.
(Paulo Alexandrino/Global Imagens)

Ursula von der Leyen. “Portugal é único e tem agora oportunidades maravilhosas”

Portugal's Prime Minister Antonio Costa speaks during presentation of the European and Portuguese Recovery and Resilience Plans, at Champalimaud Foundation, in Lisbon, Portugal, 29 September 2020. Ursula Von Der Leyen is in Lisbon for a two-day official visit. MÁRIO CRUZ/LUSA

Portugal recorrerá só a subvenções. Empréstimos só quando situação melhorar

ANTONIO COTRIM/ LUSA

Von der Leyen: Instrumento “SURE é um escudo para os trabalhadores e empresas”

Iberdrola não vai parar barragens no rio Tâmega. Autarcas querem embargo