centros de emprego

IEFP. Desemprego registado cai para mínimo de 16 anos

Fotografia: Adelino Meireles/Global Imagens
Fotografia: Adelino Meireles/Global Imagens

Segundo o IEFP, no final de julho havia 330,6 mil desempregados inscritos, universo que diminuiu cerca de 20,6%.

O número de desempregados registados nos centros do Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP) recuou, em julho, para o valor mais baixo dos últimos 16 anos. E o desemprego jovem caiu para um mínimo de três décadas.

De acordo com dados do instituto tutelado pelo ministro do Trabalho, José Vieira da Silva, divulgados esta terça-feira, no final de julho havia 330,6 mil desempregados inscritos, universo que diminuiu cerca de 20,6% face a igual mês do ano passado. É preciso recuar até julho de 2002 para encontrar um valor absoluto inferior.

O desemprego jovem também bateu mínimos. Em julho, estavam registados nos centros de emprego cerca de 31,1 mil jovens desempregados, o valor mais baixo em quase 30 anos. Este contingente reduziu-se em 30%, em termos homólogos (face a julho de 2017).

O desemprego de longa duração (pessoas registadas como desempregadas há um ano ou mais) também dá sinais de recuo, tendo caído 24% em termos homólogos. Há agora 160,5 mil desempregados nessa condição, sendo preciso recuar nove anos (até ao início de 2009) para encontrar um valor mais baixo.

Segundo os dados da tutela do Ministério do Trabalho, desde o início da legislatura quase 225 mil pessoas saíram dos registos do IEFP (-40,5% face ao final de 2015).

Destes, 99 mil eram desempregados de longa duração (-38,3%) e 38 mil eram desempregados jovens (-55,1%).

Dados convergentes com os do INE

Estes dados administrativos do IEFP são consistentes com os do inquérito ao emprego do INE.

Há cerca de duas semanas, as estatísticas oficiais revelaram que a taxa de desemprego do segundo trimestre de 2018 desceu para 6,7% da população ativa, o que corresponde ao valor mais baixo dos últimos 14 anos (desde 2004).

Num ano (face ao segundo trimestre de 2017), Portugal perdeu 109,6 mil desempregados, uma descida homóloga de 23,7%. Assim, atualmente haverá apenas cerca de 351,8 mil pessoas sem trabalho, indicou o INE na altura.

Daqueles 351,8 mil desempregados oficiais, 140,6 mil têm menos de 35 anos. E há quase 184 mil pessoas à procura de emprego há um ano ou mais, o chamado desemprego de longa duração, indicou o INE.

Em todo o caso, ambos os universos reduziram-se de forma significativa (20% a 30% face ao segundo trimestre do ano passado).

Governo diz que é resultado da sua estratégia

Sobre os números do IEFP, o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita, defendeu que eles são “a tradução visível de uma estratégia politica que foi delineada desde o princípio do Governo”.

“Uma estratégia baseada no aumento de rendimentos desde logo com o aumento do salário mínimo nacional, com a devolução de rendimentos, o fim de cortes salariais, o fim da sobretaxa de IRS, o fim dos cortes nas pensões, também o aumento dos apoios sociais.”

Miguel Cabrita observou ainda que “o desemprego tem diminuído à custa da criação de emprego, componente que tem de ser sublinhada, mas naturalmente que enquanto houver pessoas desempregadas vamos reforçar a nossa prioridade que demos desde o princípio ao emprego, em particular dos grupos mais expostos a esse fenómeno”.

É o caso dos mais jovens e dos que estão há muito tempo à procura de trabalho.

(atualizado às 14h15 com a reação do secretário de Estado do Emprego)

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
(Leonardo Negrão / Global Imagens)

Estado já concedeu quase 20 mil milhões à banca

Isabel dos Santos

Isabel dos Santos nega processo a Presidente angolano

( Pedro Rocha / Global Imagens )

Défice atinge 1,9% até junho. Meta do governo é de 0,7%

Outros conteúdos GMG
IEFP. Desemprego registado cai para mínimo de 16 anos