Desemprego

IEFP. Saídas do desemprego abrandaram em agosto

Foto: D.R.
Foto: D.R.

Número de desempregados inscritos nos centros de emprego aumentou 2,4% face a julho.

Há menos ofertas de emprego a chegar aos centros de emprego e o ritmo das colocações também está a abrandar, apontam dados divulgados esta quinta-feira pelo Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP).

As saídas do desemprego dão sinais de abrandamento em agosto, com os desempregados inscritos a crescerem 2,4%, ficando em 304.330. Em termos anuais, o desemprego cai ainda 10%.

Segundo os dados mensais do mercado de emprego, em agosto chegaram aos centros do IEFP menos 10% de ofertas de emprego que no mesmo mês do ano anterior. As novas vagas, 9375, representaram também menos 17,3% que as publicitadas em julho. No total, os centros de emprego acumulavam em agosto 18.973 ofertas de trabalho, menos 1,3% que em agosto de 2018.

O ritmo de colocações recuou. Os dados de agosto mostram 6555 saídas do desemprego, menos 6,7% que em igual mês do ano passado e 6% abaixo dos dados de julho.

Por outro lado, houve menos novos desempregados a inscreverem-se (menos 7,6% em termos anuais; menos 10,5% em relação a julho), para 37.775 indivíduos. Os novos pedidos de emprego caíram 11,1% em termos mensais, para 40.737. A descida em relação a agosto de 2018 foi de 7,4%.

Em julho, segundo as estimativas do INE, a taxa de desemprego terá ficado em 6,5%, com 338,8 mil desempregados (no IEFP, estavam registados 297,3 mil). Os dados serão confirmados no final da próxima semana, altura em que será também apresentada a estimativa de desemprego de agosto.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Fotografia: Gustavo Bom/Global Imagens

Não conseguiu validar as faturas para o IRS? Contribuintes têm mais um dia

O ministro das Finanças, Mário Centeno, na apresentação das obras de arte da coleção BPN, agora integradas na Coleção do Estado, no Forte de Sacavém. Fotografia: TIAGO PETINGA/LUSA

Fundo de Resolução já pagou em juros 530 milhões ao Estado e 90 milhões a bancos

(Filipe Amorim / Global Imagens)

Venda do Novo Banco é “um não-assunto” para o Fundo de Resolução

IEFP. Saídas do desemprego abrandaram em agosto