Ílhavo aposta na cultura para crescer no turismo

Programa visa dinamizar a economia e mostrar a diversidade do concelho

Ninguém pode tirar a Ílhavo o lugar conquistado na história pelos feitos notáveis associados à pesca do bacalhau, mas agora quer impor-se com um calendário cultural capaz de atrair pessoas de fora, para fazer crescer o turismo e a economia local.

Um dos grandes eventos está a decorrer neste fim de semana - o Festival Palheta, dedicado às marionetas, mas há mais cinco em agenda, todos com provas de sucesso, daí a reposição. Estamos a falar do Ilustração à Vista (práticas artísticas), do Rádio Faneca (música, artes performativas e visuais), do Festim (música de outros países), do Milha (música com músicos de Ílhavo) e do Leme (circo). O Festival do Bacalhau já conquistou um lugar à parte, dado o impacto nacional que já tem. Regressará em agosto.

A ideia é que o conjunto dos festivais dinamize, em especial, quatro espaços dispersos pelo conselho, como o Laboratório das Artes-Teatro, na Vista Alegre, o Cais Criativo, na Costa Nova, a Fábrica das Ideias, na Gafanha da Nazaré, e a Casa da Cultura, em Ílhavo, até dezembro, com organização a cargo do “23 Milhas”, designação do projeto cultural da Câmara.

O entusiasmo da autarquia é sustentado em estatísticas que apontam para crescimentos em vários indicadores do turismo. Por exemplo, embora seja um critério apenas indicativo, os atendimentos nas Lojas de Turismo de Ílhavo, Barra e Costa Nova mais do que duplicaram desde 2015, saltando para 21 966 no ano passado, segundo números oficiais. Nesses postos, sem surpresa, só 20% dos atendimentos são de nacionais.

Dados do Anuário Estatístico da Região Centro, publicados em dezembro de 2019, mas relativos a 2018, apontam para um aumento anual de 9,5% do número de hóspedes no concelho, para 44 638, sendo 38,3% estrangeiros.

Alojamento Local

Os proveitos de aposento subiram 8,8%, para 3,844 milhões de euros, concluindo a Câmara que o concelho não está a vender “muitos mais quartos”, mas a “vender muito melhor os quartos existentes”, admitindo ter havido uma “qualificação da oferta”.

A maior parte é na tipologia do Alojamento Local, tendo sido contabilizadas 733 camas neste tipo de registo, a 31 de dezembro de 2019. A Câmara admite que muitos possam não ser novos alojamentos, mas sim, legalizações anteriores.

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de