IMI

IMI aumenta 2,25% para comércio e serviços

Interior loja Mercadona. Fotografia: D.R.
Interior loja Mercadona. Fotografia: D.R.

A subida decorre da atualização extraordinária do imposto, prevista no Orçamento do Estado para 2016

Os proprietários de prédios industriais, de comércio ou serviços vão pagar um Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) mais elevado este ano.

O valor, referente ao ano passado, deverá aumentar 2,25%, uma subida que decorre da atualização extraordinária do imposto, prevista no Orçamento do Estado para 2016.

Segundo a edição desta segunda-feira do Jornal de Negócios, a fatura, que terá de ser paga em abril, será mais elevada porque o Valor Patrimonial Tributário (VPT) dos imóveis será atualizado, de forma automática, pelas Finanças.

Segundo o OE 2016, o VPT dos edifícios industriais, comerciais e de serviços passa a ser revisto de três em três anos, e depende dos coeficientes de desvalorização da moeda. Ao mesmo tempo, o valor fiscal dos imóveis atualizado entre 2012 e 2015 terá uma atualização extraordinária de 2,25%.

Quanto maior o VPT do imóvel, maior o aumento do imposto. O valor fiscal dos imóveis era atualizado todos os anos de acordo com a inflação, uma medida imposta pela troika. Porém, a forma como a lei era aplicada fez com que, na prática, não tivesse havido quaisquer aumentos. Daí que a subida do imposto que se vai refletir este ano seja considerada pelos especialistas como uma correção técnica.

Os imóveis só voltarão a ser avaliados em 2019.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Trump Xi China

Trump ameaça Pequim e ordena às empresas: “saiam da China”

Emmanuel Macron, presidente francês. Fotografia: Direitos Reservados

Fogos na Amazónia: França e Irlanda ameaçam bloquear acordo com Mercosul

O ministro do Ambiente e da Transição Energética, João Pedro Matos Fernandes, intervém durante uma conferência de imprensa para fazer o ponto de situação sobre a crise energética, no Ministério do Ambiente e da Transição Energética, em Lisboa, 13 de agosto de 2019. JOÃO RELVAS / LUSA

Ministro do Ambiente: “Há cada vez mais condições” para que greve não aconteça

Outros conteúdos GMG
IMI aumenta 2,25% para comércio e serviços