Coronavírus

Imovirtual. Rendas cresceram 10% em junho face ao mês anterior

O preço médio das rendas cresceu 8,5% em Lisboa em junho, comparativamente ao mês anterior, segundo os dados do portal Imovirtual
O preço médio das rendas cresceu 8,5% em Lisboa em junho, comparativamente ao mês anterior, segundo os dados do portal Imovirtual

Lisboa, Porto e Setúbal são os distritos mais caros para arrendar, segundo o barómetro mensal do portal imobiliário

O preço médio dos imóveis anunciados no Imovirtual, em Portugal, para arrendamento aumentou 10%, em junho, comparativamente ao mês anterior, passando de 1.097 euros para 1.206 euros. Um crescimento impulsionado pelo acréscimo de 9,1% nas rendas do distrito de Setúbal, de 8,5% em Lisboa e de 7,8% em Faro. Em Portalegre, o agravamento foi de 28,8% com as rendas a atingirem o valor médio de 733 euros.

Os dados são do ‘Mercado Imobiliário em Números – Barómetro Mensal de junho’ e que mostram que Lisboa continua a liderar o top de distritos mais carros, para arrendar, com um preço médio de 1.546 euros. Segue-se o Porto, com 1.014 euros, um aumento de 2,74%, Setúbal, com 935 euros, e Faro, com 931 euros. Do lado oposto da tabela, Portalegre, Guarda, Castelo Branco e Vila Real são os distritos com rendas mais baratas, que vão dos 320 euros de Portalegre (-3,6% que em maio) aos 465 euros de Vila Real (+5,7%).

O estudo, realizado com base nos dados da plataforma Imovirtual, mostra ainda que, no que aos imóveis para venda diz respeito, o preço médio aumentou 2,9% comparativamente a maior. O distrito com maior aumento percentual foi Setúbal, com o preço das casas a crescer 4% para um valor médio de 298.277 euros. Lisboa continua a ser o distrito mais caro, com um imóvel a custar, em média, 577.150 euros, mais 3,7% que em maio, o que corresponde a um aumento absoluto de 20 mil euros num mês.

Faro ocupa a segunda posição no ranking dos distritos com preço de venda mais elevado: 465.464 euros em junho, um aumento de 2,4% face ao mês anterior. Segue-se a Região Autónoma da Madeira, onde o preço médio dos imóveis para venda no Imovirtual é de 332.315 euros (+0,4%) e o Porto, com um aumento de 2,7% para 321.146 euros.

Portalegre, Castelo Branco, Beja e Guarda são os distritos com preços médios de venda mais baixos, com valores que vão os 116.459 euros aos 128.719 euros. No caso de Portalegre e de Castelo Branco, os preços recuaram face a maio: 11,1% e 0,4%, respetivamente.

Na comparação homóloga, saiba que os preços médios dos anúncios no Imovirtual para venda em junho são 2,9% mais altos do que o ano passado, num valor médio de 359.207 euros. “O preço médio anunciado tem vindo a crescer, com especial destaque a partir de novembro de 2019, atingindo o pico em abril de 2020”, destaca o portal, no barómetro. E se é verdade que maior marcou uma “desaceleração do crescimento dos preços no mercado de compra e venda”, em junho assiste-se já a “uma recuperação”.

No segmento de arrendamento, os preços estão em linha com os do ano passado no todo nacional, com preços médios anunciados de 1.206 euros, menos dois euros do que em junho de 2019. Castelo Branco, com menos 11%, o Porto, com menos 10,3%, a Região Autónoma da Madeira, a cair 2,7% e Portugal, com menos 2,4%, são os distritos que registaram a maior quebra percentual no espaço de um ano.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro ministro, António Costa.  Manuel de Almeida / LUSA

Quase 23% dos empregados foram impedidos de trabalhar entre abril e junho

João Bento, presidente executivo dos CTT. 
(Diana Quintela / Global Imagens)

Pandemia atira CTT para prejuízos de 2 milhões até junho

Foto: Igor Martins/Global Imagens

Sonae obtém 34 milhões em venda e arrendamento de 4 supermercados

Imovirtual. Rendas cresceram 10% em junho face ao mês anterior